Governo britânico admite que acordo pós-Brexit com a UE é impossível este mês

  • Lusa
  • 23 Julho 2020

O Executivo britânico atira um possível acordo pós-Brexit para setembro. "Infelizmente, é claro que não alcançaremos em julho o entendimento".

O Governo britânico admitiu, esta quinta-feira, que não vai ser possível alcançar um acordo pós-Brexit com a União Europeia (UE) até ao final do mês, alegando “áreas de desacordo substanciais”, atirando um possível acordo para setembro.

Infelizmente, é claro que não alcançaremos em julho o entendimento antecipado dos princípios subjacentes a qualquer acordo que foi definido como objetivo na Reunião de Alto Nível em 15 de junho”, refere o negociador-chefe do Reino Unido, David Frost, em comunicado.

Na altura, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, manifestou-se convicto na possibilidade de um acordo até ao final deste mês.

Porém, segundo Frost, as propostas da UE até agora não respondem aos princípios determinados pelo Governo e, portanto, “permanecem áreas de desacordo substanciais”. Frost adianta terem existido algumas propostas positivas sobre o papel do Tribunal de Justiça, e elogiou a “abordagem mais pragmática” de Bruxelas, tal como mostrou abertura para uma alternativa ao complexo conjunto de acordos para diferentes setores semelhante ao modelo suíço.

“Estamos prontos para considerar estruturas mais simples, desde que sejam encontrados termos satisfatórios para solução de conflitos e governação”, adiantou. “Também tivemos discussões construtivas sobre o comércio de bens e serviços e, em alguns acordos setoriais, notadamente sobre transportes, cooperação na segurança social e participação em programas da UE”, revelou.

Todavia, vincou, “permanecem lacunas consideráveis nas áreas mais difíceis, ou seja, nas chamadas condições equitativas e nas pescas”, enfatizando que o Governo não prescinde dos princípios nessas áreas. Frost considera contudo existirem “grandes áreas de convergência” em muitas das áreas nas quais decorrem as negociações e amplos precedentes e textos nos quais é possível basear o trabalho.

A próxima ronda de negociações está agendada para a próxima semana em Londres e depois as negociações só serão retomadas a 17 de agosto, reduzindo o tempo para chegar a um entendimento, mas Frost admite que seja possível um acordo em setembro.

A fase de transição que foi negociada após a saída formal do Reino Unido da UE, a 31 de janeiro, e que manteve o acesso do país às estruturas europeias e ao mercado único europeu termina a 31 de dezembro. “Embora continuemos a procurar energicamente um acordo com a UE, devemos enfrentar a possibilidade de que um não seja alcançado e, portanto, devemos continuar nos preparando para todos os cenários possíveis para o final do período de transição no final deste ano.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo britânico admite que acordo pós-Brexit com a UE é impossível este mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião