WhatsApp prepara-se para oferecer seguros na Índia

  • ECO Seguros
  • 26 Julho 2020

A aplicação móvel digital vai oferecer seguros e produtos de pensões. Tem por alvo o segmento de consumo de rendimento baixo fora dos grandes centros urbanos indianos.

A WhatsApp, que tem crescido na Índia na área de pagamentos, está agora a trabalhar com instituições financeiras do país com vista a alargar a oferta de serviços financeiros à mediação de seguros e ao crédito.

Segundo anunciado durante o Global Fintech Fest, a iniciativa é dos parceiros locais da plataforma digital e a adesão aos serviços será decisão dos utilizadores, perspetivando-se que o aplicativo funcione como mero intermediário.

Os bancos têm grande dificuldade de penetração e enfrentam uma série de obstáculos que dificultam a abertura de contas e uso dos serviços bancários. A parceria com o WhatsApp tem-se mostrado vantajosa para os bancos na Índia. De acordo com o site TechCrunch, instituições como ICICI Bank e Kotak Mahindra conquistaram três milhões de clientes graças à parceria com a aplicação.

As partes envolvidas no projeto pretendem ajudar à bancarização, não apenas indivíduos, mas incluir também as pequenas e médias empresas do país na digitalização financeira. “Mesmo que seja pequena, uma conversão da procura para a convergência digital irá traduzir-se em grandes economias no sistema financeiro”, disse Abhijit Bose, diretor da WhatsApp na Índia.

Por seu lado, o WhatsApp, em particular depois da introdução do WhatsApp Pay, conta mais de 400 milhões de utilizadores, sendo um dos aplicativos mais usados no país, proporcionando uma abrangência que outros serviços dificilmente conseguiriam alcançar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

WhatsApp prepara-se para oferecer seguros na Índia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião