Da loucura dos mercados à paz da costa vicentina. CEO da bolsa vai de férias

Isabel Ucha revela, no "Eles vão de férias para...", que vai ficar por Portugal este verão. A Covid-19 leva a CEO da bolsa a tirar partido da "beleza natural" do país, desde o litoral ao interior.

Passa os dias atenta ao sobe e desce constante dos mercados financeiros, mas também na busca incessante de novas empresas que possam ajudar a “povoar” a bolsa nacional. O verão é, para Isabel Ucha, como para muitos investidores, a altura ideal para se afastar da rotina stressante, partindo em busca do merecido descanso. A CEO da Euronext Lisboa gosta de conhecer novos países, mas com a Covid-19 vai partir à descoberta da “beleza nacional” de Portugal.

“Gosto de tirar uma parte das férias de verão para mostrar outras culturas e países aos meus filhos”, conta a responsável pela gestora do mercado de capitais português ao ECO, no âmbito da rubrica “Eles vão de férias para…”. Mas este ano é atípico, por causa da pandemia.

Não é por causa da Covid-19 que não fará férias, embora admita que o vírus vai obrigar a “todos os cuidados”. Ficará no país, cruzando-o do litoral ao interior, das praias até aos circuitos das aldeias históricas. Uma viagem para o corpo que será complementada por outra, para a mente, com um livro de Yuval Harari que já leu, mas vai reler.

Onde é que vai passar as férias este verão?

Este verão passarei as minhas férias em Portugal, com a minha família (o meu marido e os meus dois filhos, e com alguns amigos deles que se vão juntar). Vou desfrutar de alguns dos locais bonitos que o nosso país tem para oferecer, nas praias vicentinas, e na beira interior, visitando algumas aldeias históricas de Portugal.

A pandemia obrigou a alguma mudança de planos?

Habitualmente gosto de tirar uma parte das férias de verão para mostrar outras culturas e países aos meus filhos, uma descoberta que vamos fazendo em conjunto e que me dá imenso prazer. Quero sobretudo despertar-lhes a curiosidade por outras culturas e formas de pensar, e desenvolver neles um espírito de abertura e tolerância. Mas este ano, com a situação pandémica, ficaremos a descobrir mais de Portugal, o que também é fantástico.

Que cuidados vai ter por causa da Covid-19?

Vou naturalmente ter todos os cuidados que as autoridades de saúde recomendam e fazer muitas atividades ao ar livre.

Gosto de tirar uma parte das férias de verão para mostrar outras culturas e países aos meus filhos. Este ano, com a situação pandémica, ficaremos a descobrir mais de Portugal, o que também é fantástico.

Isabel Ucha

CEO da Euronext Lisboa

O que têm esses destinos de tão especial?

A costa vicentina é uma zona de enorme beleza natural, muito genuína e que oferece rotas maravilhosas para correr, andar de bicicleta ou simplesmente desfrutar da praia. Eu gosto muito de fazer férias ativas, e por isso todos os dias planeio uma corrida, um trajeto de bicicleta ou uma caminhada diferentes. Quando às aldeias históricas, elas também são muito genuínas, e oferecem-nos a possibilidade de olhar o presente em perspetiva. Nesse circuito de aldeias históricas há também muitos trajetos deslumbrantes para o nosso momento de exercício diário.

O que recomenda que não se deve mesmo nesse circuito?

Recomendo o trajeto Piodão a Chãs de Égua e Foz de Égua, e a rota do xisto da Benfeita.

E que livro vai levar consigo?

Vou reler o Homo Deus, do Yuval Harari

“Eles vão de férias para…” é uma rubrica de verão em que o ECO lançou o desafio a governantes, gestores e empresários para partilharem com os nossos leitores onde vão, ou foram, neste período de descanso. É publicada diariamente.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Da loucura dos mercados à paz da costa vicentina. CEO da bolsa vai de férias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião