Hotelaria pede transportes públicos gratuitos a Lisboa para impulsionar turismo

transportes públicos gratuitos até março, vouchers de 50 euros e entradas à borla em espaços culturais são algumas das medidas propostas pelo setor hoteleiro para fomentar o turismo na capital.

A associação que representa o setor hoteleiro propôs à Câmara de Lisboa (CML) um conjunto de novas medidas para fomentar o turismo nacional. Entre as propostas estão vouchers de 50 euros, transportes públicos gratuitos até março de 2021 e entradas gratuitas em todos os espaços culturais.

“As medidas apresentadas são orientadas para dois eixos: promoção turística e serviços municipais, rendas, taxas/tarifas e impostos municipais”, refere a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), em comunicado enviado esta segunda-feira. Assim, a pedido da autarquia, foram enviadas quatro propostas:

  • Organizar fam trips personalizadas e altamente qualificadas” com os jornalistas que vierem acompanhar a final da Champions, em Lisboa;
  • Atribuir um voucher de 50 euros por pessoa para estadias mínimas de três noites em estabelecimentos hoteleiros e alojamento local. Este voucher poderá ser usado em estadias, equipamentos culturais, restaurantes, casas de fado, adegas, atividades de animação turística, etc.;
  • Tornar os transportes públicos gratuitos até março de 2021 para residentes, trabalhadores e turistas hospedados em empreendimentos turísticos e alojamento local durante o período da estadia;
  • Isentar os hóspedes dos empreendimentos turísticos e alojamento local do pagamento de entradas em todos os espaços culturais e equipamentos geridos pela Câmara de Lisboa até março de 2021;
  • Reforçar a alocação das verbas de promoção da Associação de Turismo de Lisboa, de forma a “contribuir para colocar Lisboa no top of mind das escolhas de indecisos de última hora e de público em geral que adiou a o projeto de viagem”.

“As medidas que venham a ser implementadas devem ser orientadas quer para o apoio à sobrevivência das empresas, como estimulo ao turismo interno e espanhol no que resta do verão e outono, mas também como medidas de mais longo alcance, para a retoma progressiva do setor”, diz Raúl Martins, presidente da AHP, acrescentando que “sem empresas não haverá seguramente retoma do turismo”.

A associação nota que estas medidas são dirigidas à Câmara de Lisboa, que as pediu, “mas são suscetíveis de ser seguidas por outros municípios, especialmente aqueles que cobram taxas turísticas”. No mesmo documento, a AHP recorda que as empresas hoteleiras “estão entre as que pagam mais taxas e impostos às cidades”, “pelo que é chegado o momento dos municípios estarem ao lado de quem os tem ajudado ao longo dos anos”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hotelaria pede transportes públicos gratuitos a Lisboa para impulsionar turismo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião