Confinamento afundou turismo dos portugueses em março

Nos primeiros três meses do ano, os portugueses fizeram 3,7 milhões de viagens, uma quebra de 20% face ao mesmo período do ano passado. Em março essa quebra foi de 70% devido à pandemia.

No primeiro trimestre do ano, as viagens realizadas pelos portugueses caíram 20%, mostram os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Contudo, analisando apenas o mês de março, essa quebra foi de 70%, justificada pela pandemia de coronavírus, dado ter sido na altura em que se registaram os primeiros casos de infeção no país. No que diz respeito às viagens ao estrangeiro, estas diminuíram mais de 80% no terceiro mês do ano.

Os portugueses realizaram 3,7 milhões de viagens nos primeiros três meses do ano, o equivalente a uma diminuição de 20% face ao mesmo período do ano passado. Desse universo, 88% correspondeu a viagens em território nacional, enquanto 12% tiveram como destino o estrangeiro.

“Lazer, recreio ou férias” foram a principal motivação para viajar no primeiro trimestre, concentrando 1,5 milhões de viagens. Ainda assim, estas viagens diminuíram quase 15%. Visitar familiares ou amigos também foi outro dos motivos, revelando o maior decréscimo (-29,1%).

Mas, numa análise mais detalhada, a quebra foi de 70% nas viagens dos residentes em março, mês em que foi declarado o estado de emergência. Neste mês, as viagens com destino ao estrangeiro caíram 88,1%, refere o INE.

Voltando ao trimestre, os portugueses preferiram marcar viagens através da Internet, tanto para fora como cá para dentro. “A proporção de viagens com marcação prévia de serviços foi 34%, uma proporção que atingiu 91,4% no caso de deslocações com destino ao estrangeiro”, diz o INE.

Na hora de ficar hospedado, os hotéis e similares foram a opção mais procurada, concentrando mais de 21% de todas as dormidas. “O alojamento particular gratuito foi o único tipo de alojamento que verificou um aumento na representatividade”, passando para um peso de 79,3%. E, no que toca à duração das estadias, a média ficou nas 4,68 noites, uma subida de 19,7%.

(Notícia atualizada às 11h19 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Confinamento afundou turismo dos portugueses em março

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião