Portugal confirma dois primeiros casos de Covid-19

  • ECO
  • 2 Março 2020

Foram detetados os primeiros dois casos de coronavírus em território nacional. Ministra da Saúde avança que os passageiros de voos provenientes de Itália vão ter de identificar contactos recentes.

O novo coronavírus já chegou a Portugal. As autoridades de saúde detetaram os dois primeiros casos de infeção em território português. Um médico de 60 anos que esteve de férias no norte de Itália e um outro homem que esteve em Valência, Espanha. Em declarações aos jornalistas, a ministra da Saúde anunciou ainda que será aplicada “rastreabilidade de contactos” para os passageiros que vierem de Itália, uma medida que já está em vigor relativamente aos três voos semanais provenientes da China.

A notícia — que entretanto já foi confirmada pelo Executivo e pela Direção Geral de Saúde — foi avançada, esta segunda-feira, pela SIC Notícias que adiantava que um dos casos diz respeito a um médico do Hospital do Tâmega e Sousa que esteve de férias no norte de Itália, um dos focos de maior preocupação com o Covid-19 fora da China, e que se encontra internado no Hospital de Santo António.

O outro infetado é um homem que trabalhava em Espanha e está internado no Hospital de São João com sintomas ligeiros.

Entretanto, a ministra da Saúde já explicou que ambos os pacientes estão estáveis e em “boa condição de saúde”. Os dois casos já têm confirmação definitiva e os “contactos próximos” de ambos os pacientes serão agora colocados sob vigilância, assegurou Marta Temido.

A ministra sublinhou, além disso, que a recomendação geral é que as pessoas que venham de áreas afetadas façam “vigilância ativa” e contactem a linha SNS 24 em caso de dúvida, antes de se dirigirem aos serviços de saúde.

Esta informação marca a entrada de Portugal na lista dos mais de 60 países com casos confirmados de infeção pela doença Covid-19, que é provocada por uma nova estirpe de coronavírus que teve origem na província chinesa de Hubei.

Os primeiros casos em Portugal representam uma escalada nas preocupações em torno desta epidemia, numa altura em que há já dezenas de milhares de pessoas com a infeção em todo o mundo. Apesar da maioria dos casos regista-se na China, o número diário de novos casos é já superior fora do território chinês.

Itália, na Europa, está a ser uma das maiores preocupações, com a região de Milão a registar mais de quatro centenas de casos confirmados, segundo os dados oficiais.

O alastrar do vírus dentro da União Europeia é particularmente preocupante, na medida em que envolve um vasto território sem fronteiras físicas. Este facto dificulta ou impossibilita o controlo das deslocações, que foi uma dos métodos usadas pela China para conter os avanços deste surto.

É consensual na comunidade científica que esta nova estirpe de coronavírus é contagiosa entre humanos, mas ainda não é claro em que condições, bem como qual o respetivo período de incubação. Autoridades de vários países têm aplicado quarentenas de 14 dias, mas também têm surgido casos de transmissão em que a pessoa que contagia não apresenta sintomas de doença. Este fator tem-se revelado desafiante para as autoridades e determinante para o alastrar do problema.

“Temos de estar conscientes do risco, mas manter a calma”

Esta segunda-feira, o primeiro-ministro sublinhou que é preciso estar consciente do risco implicado no surto de coronavírus, mas apelou a que se mantenha “a calma e a serenidade”. Aos jornalistas, o primeiro-ministro voltou a explicar que é aconselhável que quem tenha estado em contacto com alguém contaminado recorra ao SNS 24 e se mantenha particularmente atento à sua saúde. “A Linha Saúde 24 tem de ser a porta de entrada para todos estes casos”, disse o governante.

Questionado sobre os efeitos deste surto na economia, António Costa garantiu que as consequências estão a ser analisadas e referiu que o Governo tem estabelecido “metas muito prudentes” por uma questão de “conservadorismo responsável”.

(Notícia atualizada às 15h06 com o resultado positivo da contra-análise que ainda faltava fazer a um dos casos)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal confirma dois primeiros casos de Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião