Países do G7 vão planear “ação concertada” para travar impacto do coronavírus

Depois dos ministros das Finanças da União Europeia, agora é a vez dos G7 reunir para concertar posições para combater os impactos do coronavírus. Ambas as teleconferências são esta semana.

Os países do G7 vão planear uma “ação concertada” para limitar o impacto do coronavírus no crescimento económico e os ministros das Finanças dos sete países mais ricos do mundo vão fazer uma teleconferência esta semana para definir qual a melhor maneira de agir, anunciou o ministro francês das Finanças, Bruno Le Maire.

“Haverá uma ação concertada. Ontem falei com o presidente do G7, o secretário norte-americano do Tesouro, Steven Mnuchin, e esta semana teremos uma reunião por telefone dos ministros das Finanças do G7 para coordenar as nossas respostas”, disse Le Maire à televisão France 2, acrescentando que também falará com a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde.

Haverá uma ação concertada. Ontem falei com o presidente do G7, o secretário norte-americano do Tesouro, Steven Mnuchin, e esta semana teremos uma reunião por telefone dos ministros das Finanças do G7 para coordenar as nossas respostas.

Bruno Le Maire

Ministro francês das Finanças

Esta iniciativa é semelhante à de Mário Centeno, no seu papel de presidente do Eurogrupo. O responsável anunciou na sexta-feira que convocou uma teleconferência com os ministros das Finanças de todos os Estados-membros e não apenas os da área do euro, para avaliar os impactos da epidemia e concertar respostas.

“Temos de agir para que este impacto, que sabemos que será significativo sobre o crescimento, seja tão limitado quanto possível”, frisou ainda Bruno Le Maire, sublinhando que a “epidemia está agora a atingir outros países”, para além da China, “por isso, o impacto será muito mais significativo” do que os 0,1 pontos percentuais a menos no crescimento francês, que inicialmente tinha estimado.

Temos de agir para que este impacto, que sabemos que será significativo sobre o crescimento, seja tão limitado quanto possível.

Bruno Le Maire

Ministro francês das Finanças

Por agora, o responsável pela pasta das Finanças em França não arrisca novas previsões, porque ainda é cedo para avançar com novos números. Sendo a hotelaria, restauração, transportadoras aéreas e a indústria dos eventos os setores mais afetados em França.

Os últimos dados apontam para 87.161 pessoas infetadas em 60 países de cinco continentes, das quais morreram 2.980.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Países do G7 vão planear “ação concertada” para travar impacto do coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião