Novo Banco com prejuízos de 1.059 milhões

O banco voltou a registar prejuízos em 2019: 1.058,8 milhões de euros. António Ramalho vai pedir 1.037 milhões ao Fundo de Resolução.

O Novo Banco anunciou esta sexta-feira prejuízos de 1.058,8 milhões de euros. Em 2018, as perdas foram de 1.412 milhões. “Ontem falávamos do Cabo das Tormentas, podemos dizer agora que demos a volta ao Cabo da Boa Esperança”, disse António Ramalho, presidente do banco, aos jornalistas.

A penalizar as contas estiveram perdas de 1.236,4 milhões de euros com o legado do BES, enquanto a parte boa do banco (atividade recorrente) obteve um ganho de 177,6 milhões de euros.

O Novo Banco diz ter “registado perdas relacionadas com o processo de reestruturação e desalavancagem de ativos não produtivos, designadamente os projetos Sertorius, Albatros e NATA II, e o processo de venda da GNB Vida”.

Face a este resultado, o banco vai pedir ao Fundo de Resolução, que detém 25% da instituição, mais 1.037 milhões de euros, no âmbito do mecanismo de capital contingente acordado em 2017.

“Em resultado das perdas verificadas na atividade legacy no valor de -1.236,4 milhões, que refletem a prossecução do processo de deleverage de créditos e imóveis legacy que estavam no balanço do banco em 2016, o Novo Banco irá solicitar uma compensação de 1.037 milhões, tal como estipulado no contrato de venda. O valor total das compensações solicitadas em 2017 e 2018 e a solicitar relativamente a 2019 totalizam 2,98 mil milhões”, explica o banco. O montante máximo de compensação estabelecido no acordo é de 3,89 mil milhões de euros.

Malparado baixa para 12%

Ramalho tinha dito que 2019 foi um “marco importante” na reestruturação do Novo Banco, criado em 2014 com a resolução ao BES. O banco estava obrigado a cumprir metas impostas por Bruxelas, nomeadamente em termos de viabilidade.

Na parte operacional, a margem financeira subiu quase 20% para 540,6 milhões de euros, com as comissões a subirem 3,3%. Com isto, o produto bancário comercial aumentou 12,5% para 864,1 milhões de euros.

Do lado do balanço, o crédito a clientes subiu 1,7% para 25,15 mil milhões de euros, enquanto os depósitos aumentaram 1% para 28,4 mil milhões.

O ano passado foi de limpeza do balanço. O rácio de malparado caiu para metade: estava em 22,4% em 2018 e baixou para 11,8% no final do ano passado. Tratou-se de uma redução de 3,3 mil milhões de euros. Ramalho adiantou que poderá vender nova carteira de malparado este ano para baixar o rácio para 5%. Isto implicará reduzir os NPL em 1,7 mil milhões. “Num banco normal isto seria impossível, mas aqui tornamos as coisas possíveis”, disse.

(Notícia atualizada às 18h02)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco com prejuízos de 1.059 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião