Bolsa de Lisboa afunda 12% numa semana. Coronavírus tira 7,4 mil milhões às empresas

A cotada portuguesa mais penalizada foi a Mota-Engil e 12 das 18 empresas do PSI-20 registaram perdas superiores a 10% na semana.

O coronavírus atirou a bolsa de Lisboa para a pior semana desde outubro de 2008, no pico da crise financeira e logo depois da falência do Lehman Brothers. Em apenas cinco sessões, o índice PSI-20 desvalorizou 11,55% devido à rápida disseminação do coronavírus (e os receios do potencial impacto do surto na economia global). Perdeu 7,4 mil milhões de euros em capitalização de mercado.

A cotada portuguesa mais penalizada na semana foi a mais exposta aos mercados internacionais, a Mota-Engil, mas as quedas foram generalizadas. Entre as 18 empresas que negoceiam no índice, 12 registaram perdas superiores a 10% na semana. Só esta sexta-feira, o PSI-20 tombou 3,76% para 4.765,73 pontos.

Entre os pesos-pesados, o BCP afundou 5,7%, a Nos desvalorizou 4,14% e a Jerónimo Martins 2,9%. Na energia, a EDP caiu 4,13%, a EDP Renováveis perdeu 2,09% e a Galp Energia tombou 5,03% (numa altura em que o preço do petróleo cai mais de 3% para mínimos de mais de um ano). Os mercados estão a ser penalizados pelo surto.

Detetado em dezembro na China, o coronavírus provocou pelo menos 2.858 mortos e infetou mais de 83 mil pessoas em mais de 50 países. Apesar de a Ásia continuar com a região mais afetada, o vírus chegou, há menos de uma semana, à Europa, África e América. Das pessoas infetadas, mais de 36 mil recuperaram. A rápida disseminação do vírus está a gerar receios sobre o eventual fecho de fronteiras, limitação de deslocações e quarentenas.

Bolsa de Lisboa cai para o valor mais baixo desde agosto

Investidores procuram refúgio na dívida

Enquanto não se sabe o impacto económico, as preocupações estão já a refletir-se nos mercados financeiros de forma generalizada. “Os mercados de ações e de dívida europeus transitaram de exuberância para pessimismo depois de o coronavírus ter alastrado ao Norte de Itália, aumentando a incerteza que sobre o impacto económico. As ações europeias caíram de forma expressiva e o spread da dívida soberana italiana face às Bunds alemãs aumentou”, refere a Fidelity numa nota de research intitulada “A Europa apanhou coronavírus: dentro do selloff nos mercados”.

Tal como o índice português, o Stoxx 600 também viveu a pior semana desde 2008, com uma perda de 12,2%. O alemão DAX recuou 12,4%, o italiano FTSE MIB caiu 11,3% e o britânico FTSE 100 desvalorizou 11,1%.

O selloff nas bolsas estão a atirar os investidores para ativos refúgio. Apesar de o ouro ter perdido força na sessão, o franco suíço e o ouro negociaram em alta. A yield das Bunds alemãs a dez anos já negoceia em -0,6%, com a perspetiva de novos estímulos europeus para mitigar o impacto do vírus.

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, disse estar a seguir “muito cautelosamente” a epidemia de coronavírus, mas afastou medidas imediatas de política monetária que respondam à propagação deste surto. Ainda assim, os futuros do mercado monetário indicam que os investidores esperam um corte das taxas de referência em junho. Também o Eurogrupo e a Comissão Europeia já disseram que estão a preparar, caso se torne necessário, “medidas de apoio” aos setores económicos enfraquecidos.

Estas reações poderão juntar-se aos estímulos da China, enquanto outros planos poderão estar em curso. O Financial Times noticiou que a Arábia Saudita já está a pressionar a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para implementarem um corte adicional na produção de mil barris por dia na próxima reunião.

(Notícia atualizada às 17h10)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa de Lisboa afunda 12% numa semana. Coronavírus tira 7,4 mil milhões às empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião