Merlin vai dar mais 32 cêntimos em dividendos

A SOCIMI espanhola, cotada na bolsa de Lisboa, vai dar um dividendo global de 52 cêntimos aos seus acionistas, mesmo depois de ter visto os resultados encolherem no ano passado.

A Merlin Properties, a mais recente cotada na bolsa de Lisboa, vai dar aos acionistas um dividendo adicional de 32 cêntimos. Este montante aumenta após um ano de “excelente comportamento de negócio”, mas em que os resultados encolheram perante a ausência de extraordinários.

Depois de ter distribuído aos acionistas um dividendo de 20 cêntimos no ano passado, já com base na perspetiva de resultados para 2019, a empresa, que se estreou na bolsa de Lisboa em janeiro, vai agora dar mais 32 cêntimos, totalizando um dividendo de 52 cêntimos por ação, diz a SOCIMI, em comunicado.

Este montante terá ainda de ser aprovado em Assembleia Geral, que deverá ocorrer a 29 de abril. A empresa espanhola refere ainda “a sua estimativa de retribuição ao acionista referente ao exercício de 2020 por um mínimo de 244 milhões de euros“. Ou seja, acena já com mais 52 cêntimos com base nas contas de 2020.

Mais dividendos, mesmo sem extraordinários

Naquele que foi um ano de “excelente comportamento do negócio”, os resultados da SOCIMI encolheram para 563,6 milhões de euros, um valor que a empresa diz não ser comparável com o ano anterior devido ao ganho extraordinário obtido em 2018 com a venda do projeto Testa Residencial. Excluindo esta operação, o lucro líquido ascende a 212,5 milhões de euros, um aumento de 3,6%.

Ainda no ano passado, as receitas totais ascenderam a 530,6 milhões de euros, enquanto o EBITDA se fixou nos 425,5 milhões de euros. “Para este ano, esperamos que os arrendamentos se mantenham, já que alguns dos principais cilindros do nosso motor estarão em reabilitação”, como o edifício Monumental, em Lisboa, referiu o CEO da Merlin, Ismael Clemente, citado pelo El Economista (conteúdo em espanhol).

Carteira sobe para 12.751 milhões de euros

A empresa tem atualmente uma carteira de imóveis avaliada em 12.571 milhões de euros, um valor 5,9% superior ao registado em 2018. Recorde-se que, já por várias vezes, a Merlin referiu que um dos objetivos era aumentar a carteira em território nacional, que está atualmente avaliada em cerca de mil milhões de euros. O CEO, Ismael Clemente, referiu ter outros mil milhões para investir no imobiliário em Portugal até 2023.

E, no ano passado, acabou mesmo por aumentar a exposição em Lisboa, com a aquisição do edifício Art e a Torre Fernão Magalhães, no Parque das Nações, por 112,2 milhões de euros, e a sede da Nestlé, em Linda-a-Velha, por 12,5 milhões de euros.

No mercado de escritórios, a Merlin teve um “excelente ano de ocupação” (92,8%), enquanto as rendas médias subiram 7,3% para um “máximo histórico” na história da empresa. E, embora tenha sido em Barcelona onde as rendas mais aumentaram (19,5%), em Lisboa cresceram 11,2%, mais do que em Madrid (6%). No mercado de centros comerciais — onde detém o Almada Fórum, que comprou por 406,7 milhões de euros –, a ocupação fixou-se nos 93,3%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Merlin vai dar mais 32 cêntimos em dividendos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião