Apesar dos prejuízos, Farfetch dá 40 milhões em ações aos trabalhadores

Distribuição de prémios em ações foi um dos fatores que pesou nas contas da empresa. Apesar das receitas terem subido 69%, os prejuízos mais que duplicaram. Tecnológica quer ser rentável até 2021.

A Farfetch voltou a premiar os trabalhadores com ações. Depois de, na oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês), a tecnológica fundada pelo português José Neves ter oferecido 40 milhões de dólares em títulos da empresa a todos os funcionários do grupo, voltou a fazê-lo. Apesar de os prejuízos terem mais de duplicado em 2019 para 373,7 milhões de dólares, a Farfetch deu mais 40 milhões de dólares em ações aos trabalhadores.

“No último trimestre fizemos share base payments no valor de 40 milhões”, explicou Luís Teixeira, chief operations officer da Farfetch, em declarações ao ECO, sobre o programa “Farfetch para Todos”, no âmbito do qual os funcionários receberam prémios de desempenho em títulos.

O relatório de contas divulgado esta quinta-feira indica que os pagamentos em ações dispararam 1.397% para 39,4 milhões de dólares, entre outubro e dezembro, face ao período homólogo. No último trimestre de 2019, o preço médio das ações em Wall Street foi de 9 dólares, ou seja, esses 40 milhões de dólares equivalem a cerca de 4,4 milhões de títulos. Mas a Farfetch — que tem atualmente 3.200 funcionários, dos quais cerca de dois mil estão em Portugal — não adiantou qual a distribuição dos títulos.

Este foi um dos fatores que pesou nas contas da empresa. Apesar de as receitas da tecnológica especializada em e-commerce de luxo terem subido 69% e ultrapassado os mil milhões de dólares, em 2019, os prejuízos mais que duplicaram para quase 373,7 milhões de dólares. “Além disso [os share-based payments], fizemos grandes aquisições no ano e tivemos de fazer amortizações”, justificou o COO.

As despesas com depreciações e amortizações dispararam 597% para 50,1 milhões de dólares em termos homólogos, principalmente devido a amortizações reconhecidas nos ativos comprados. Ao longo do ano passado, a Farfetch realizou três aquisições estratégicas: da plataforma de venda online especializada em sapatilhas e streetwear Stadium Goods (por 250 milhões), da companhia italiana New Guards (por 675 milhões) e da tecnológica focada na amplificação de marcas premium no mercado chinês CuriosityChina (num negócio cujo valor não foi divulgado).

Breakeven operacional esperado em 2021

“Tivemos um ano bastante positivo”, defende Luís Teixeira. “O número que realmente importa é o EBITDA ajustado porque é o reflexo o que são os resultados operacionais. Olhando para esse número, houve uma melhoria muito significativa e bastante superior ao esperado pelos analistas. Damos aqui um claro sinal do caminho face ao objetivo de chegar ao breakeven do EBITDA ajustado. Estamos num caminho claro para conseguir entregar valor positivo em 2021. Fazemos isto enquanto crescemos a dois dígitos no ano”.

O EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) ajustado ficou em -121,3 milhões em 2019, face aos -95,9 milhões no ano anterior. A margem passou para 13,6% no final do ano, face a 19% no período homólogo.

A meta de rentabilidade operacional está prevista para o próximo ano, sendo que o COO recusou adiantar qual o prazo previsto para lucros ou a distribuição de dividendos aos acionistas. Ainda assim, explicou que a reação dos investidores em Wall Street após a apresentação de resultados (valorizou 5% para 10,95 dólares por ação) revela que acreditam na “clara intenção para atingir a rentabilidade em 2021”.

A nossa prioridade para os próximos anos é continuar a crescer, a captar quota de mercado, melhorar margens e reduzir custos. Continuar esta estratégia vai levar-nos ao breakeven. A forma de continuarmos a ser líderes de mercado é através de investimentos. Se não o fizéssemos, seria muito difícil”.

Quanto aos pilares que levaram ao agravamento dos prejuízos em 2019, poderão voltar a pesar, mas não tanto. Por um lado, a Farfetch não está a considerar mais compras — “Não temos aquisições planeadas neste momento. Não é relevante e estamos focados é na rentabilidade”, revelou Luís Teixeira –, mas por outro poderá voltar a distribuir ações pelos trabalhadores. “As nossas pessoas são o nosso ativo mais importante e é nossa intenção continuar a investir nelas”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apesar dos prejuízos, Farfetch dá 40 milhões em ações aos trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião