Farfetch quase duplica receitas. Lucros? Prejuízos crescem

As receitas da empresa liderada por José Neves aumentaram em 121 milhões de dólares para 255,5 milhões, representando um crescimento de 89,9%.

A Farfetch brilhou nas receitas no terceiro trimestre. As vendas quase duplicaram, superando as expectativas da própria empresas, mas esse feito não se traduziu nos resultados líquidos. A companhia liderada por José Neves agravou os prejuízos em mais de 10% na comparação com os mesmos três meses do ano passado.

De acordo com o comunicado enviado pela empresa, os prejuízos ascenderam a 85,5 milhões de dólares no terceiro trimestre deste ano. No segundo trimestre a empresa tinha registado prejuízos de 89,6 milhões de dólares, um valor que disparou face ao período homólogo explicado pela compra da New Guards Group.

Esta compra “contribuiu para a performance financeira do terceiro trimestre de 2019″, diz a empresa que apresentou um EBITDA negativo em 35,6 milhões de dólares. As receitas, por seu lado, dispararam. As vendas ascenderam a 255,5 milhões de dólares nos três meses terminados em setembro, o que correspondeu a um crescimento homólogo de 90%.

“As receitas aumentaram em 121 milhões de dólares para 255,5 milhões, representando um crescimento de 89,9%. Este aumento é explicado pelo incremento de 44% nas receitas da Plataforma Digital para 156,5 milhões”, refere a Farfetch.

A empresa nota que este desempenho superou o guidance para o terceiro trimestre 2019, tanto no volume de negócios (GMV-Gross Merchandise Value) da Plataforma Digital como na margem do EBITDA Ajustado”.

A Farfetch, apesar dos prejuízos, está confiante para este último trimestre do ano. Apresenta um outlook positivo para o quarto trimestre de 2019, aumentando a “expectativa relativamente ao EBITDA Ajustado” ao mesmo tempo que “reitera a taxa de crescimento do GMV da Plataforma Digital”.

Farfetch dispara em bolsa após resultados

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Farfetch quase duplica receitas. Lucros? Prejuízos crescem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião