Farfetch mais do que duplica prejuízos em 2019

As receitas cresceram 69%, mas a Farfetch continua sem conseguir lucros. Em 2019, os prejuízos da empresa mais do duplicaram face ao ano anterior.

No último ano, as receitas da Farfetch subiram 69% e ultrapassaram os mil milhões de dólares, mas tal não se traduziu nos resultados líquidos. A empresa fundada pelo português José Neves agravou os prejuízos para quase 373,7 milhões de dólares (343,52 milhões de euros), mais que duplicando as perdas face a 2018.

De acordo com o comunicado enviado esta quinta-feira, os prejuízos ascenderam a 373.688.000 dólares, mais 218.113.000 dólares (200,5 milhões de euros) do que tinha sido verificado no período homólogo.

Do lado das receitas, o crescimento foi de 69% — de 602.308.000 dólares (553,67 milhões de euros), em 2018, para 1.021.037.000 dólares (938,6 milhões de euros) no ano seguinte — embora tal não tenha sido suficiente para garantir lucros à empresa.

Para o CEO da Farfetch, o ano de 2019 foi, ainda assim, “marcante”, uma vez que a plataforma cresceu quase o dobro da indústria da moda e que a empresa “melhorou significativamente” a margem do EBITDA ajustada, estando agora a caminho do lucro.

Segundo José Neves, a Farfetch “conquistou firmemente o lugar de destino global do luxo, no universo digital”, e segundo o responsável, em 2020, a empresa está pronta para tomar “a fatia de leão” das oportunidades disponíveis no mercado do luxo online.

Em comunicado, o empreendedor português deixa ainda uma nota sobre o surto de coronavírus, assegurando que a epidemia não teve até agora um impacto significativo nas operações. O CEO explica que o seu modelo de negócio — baseado numa larga rede de fornecedores e distribuidores — torna a empresa “particularmente resiliente” à situação. Ainda assim, diz que continuará a monitorizar os seus efeitos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Farfetch mais do que duplica prejuízos em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião