Nissan passa de lucro a prejuízo trimestral de 2,3 mil milhões de euros

  • Lusa
  • 28 Julho 2020

O grupo Nissan reportou um prejuízo de 2,3 mil milhões de euros entre abril e junho, contra lucros de 52 milhões no período homólogo. Pandemia explica a quebra.

O grupo Nissan teve um prejuízo de 2.313 milhões de euros no primeiro trimestre do ano fiscal (abril-junho), contra um lucro de 52 milhões de euros contabilizado em idêntico período do exercício anterior, revelou hoje o fabricante automóvel. As receitas alcançadas no período em análise caíram 50,5% para 9.515 milhões de euros, que comparam com os 19.225 milhões de euros que registou no primeiro trimestre do ano fiscal de 2019.

Os resultados da Nissan foram anunciados numa conferência realizada por videoconferência desde a sede do grupo, em Yokohama, no sul de Tóquio, onde foram também dadas a conhecer as perspetivas para o atual exercício fiscal. Segundo o presidente da Nissan, Makoto Uchida, no ano fiscal que se concluirá em março de 2021, o grupo espera melhorar o seu resultado em 0,2%, embora calcule que encerrará o ano fiscal com prejuízos líquidos de 5.429 milhões de euros.

Estes resultados foram obtidos num “clima de negócios desafiador”, pois de acordo com Uchida, o setor está a sofrer o impacto da pandemia de Covid-19, que causou uma forte redução na procura global de veículos. O resultado operacional foi negativo em 1.247 milhões de euros, contra um resultado operacional positivo de 13 milhões de euros contabilizado no primeiro trimestre de ano fiscal anterior.

O fabricante automóvel referiu ainda que entre abril e junho deste ano as vendas globais de veículos a nível mundial caíram 44,5%, para 12,49 milhões, na comparação com o mesmo período do exercício passado, e que no caso da Nissan a queda foi de 47,7%, para as 643.000 unidades.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nissan passa de lucro a prejuízo trimestral de 2,3 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião