Quais as seguradoras que mais estão a perder com a pandemia

  • ECO Seguros
  • 28 Julho 2020

As perdas e reservas constituídas na industria global de seguros por conta da crise pandémica já ascendem a cerca de 20,6 mil milhões de dólares, um valor que tende a crescer.

O impacto real da pandemia da Covd-19 na indústria global de seguros e resseguro já representa 20,6 mil milhões de dólares (cerca de 17,6 mil milhões de euros). A estimativa baseia-se em números de relatórios semestrais já anunciados por empresas do setor e englobam perdas reconhecidas e já reportadas e reservas ou provisões constituídas, por perdas incorridas e ainda não reportadas (IBNR).

O impacto refere-se apenas à primeira metade do exercício anual, sobretudo no ramo não Vida, seguros P&C (propriedade e danos), e tende a aumentar à medida que forem sendo divulgados ou atualizados balanços.

Os dados compilados resultam de números agregados pela PeriStrat LLC, com sede em Zurique, complementados com informação recolhida pela plataforma Artemis.com e o site Reinsurance News, e englobam 37 entidades (de seguro e resseguro). A tabela reproduzida por ECOseguros reduz a lista, mas mantém a soma, integrando os montantes das omissas em “outras”.

A informação oficial já divulgada também permite abordagem comparativa face às perdas que a indústria antecipava e que variavam entre 30 mil milhões de dólares e mais de 100 mil milhões de dólares, ou num consenso mais estreito situando-se entre 50 mil milhões a 70 mil milhões de dólares para a indústria global de seguros e resseguros, com maior incidência em propriedade e acidentes (P&C).

De acordo com as fontes, o caso da norte-americana FM Global, que ainda não reportou números do semestre, a estimativa da PeriStrat baseou-se na cobertura de doenças transmissíveis oferecida pelo grupo e nas suas apólices padrão, agregando cerca de 3 mil milhões de dólares “em sublimites”.

Salientam-se ainda os casos da Swiss Re, AXA, Munich Re, Chubb, Zurich, Allianz e SCOR, todas reportando cerca de 500 milhões de dólares, cada, de impacto esperado do Covid-19.

Por outro lado, adverte a consultora PeriStrat, liderada por Hans-Joachim Günther, poderá existir alguma sobreposição nos números, uma vez que as seguradoras e resseguradores poderão, até certo ponto, estar ambos a relatar as mesmas perdas.

Além disso, os valores de companhias que já reportaram perdas do Covid-19 poderão também sobrepor-se à estimativa do mercado do Lloyd’s e outras podem estar a avançar números após recuperações de resseguro, enquanto outras ainda contabilizam as perdas antes do resseguro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quais as seguradoras que mais estão a perder com a pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião