Global Media não vai recorrer ao novo lay-off por não compensar custos

  • Lusa
  • 30 Julho 2020

Os trabalhadores da Global Media Group estavam em 'lay-off' simplificado desde meados de abril, regime que termina na sexta-feira, dia 31 de julho.

A Global Media não vai recorrer às medidas de apoio que sucedem ao regime de ‘lay-off’ simplificado, por considerar que não compensam os custos, e admite que a reposição de rendimentos traz “grandes desafios” à empresa.

Numa nota da direção de recursos humanos da dona do Diário de Notícias (DN), Jornal de Notícias (JN) e TSF, entre outros, a que a Lusa teve acesso esta quinta-feira, “apesar da situação do mercado se manter extremamente adversa e serem grandes as dificuldades de operação, com evidentes consequências na situação económica financeira da empresa”, o grupo não vai recorrer a medidas que sucedem ao regime de ‘lay-off’.

Os trabalhadores da Global Media Group estavam em ‘lay-off’ simplificado desde meados de abril, regime que termina na sexta-feira, dia 31 de julho.

“Analisadas as medidas aprovadas pelo Governo na passada segunda-feira relativas a regime que sucede ao do ‘lay-off’ simplificado, a administração concluiu que a significativa redução dos apoios do Estado inerentes a este novo regime leva a que os benefícios que a sua adoção traria para a empresa seriam essencialmente suportados pelos trabalhadores, não compensando os custos para a empresa em termos de organização e de capacidade de resposta“, lê-se na nota.

Assim, a partir de agosto “todos voltarão a cumprir o regime de trabalho – presencial ou em teletrabalho – que vigorava até 19 de abril, conforme determinado pelas respetivas chefias”, refere a informação.

“O termo do regime de ‘lay-off’ e a consequente reposição de rendimentos para os trabalhadores significa para a empresa a assunção integral da estrutura de custos, pelo que nos esperam grandes desafios”, conclui a direção de recursos humanos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Global Media não vai recorrer ao novo lay-off por não compensar custos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião