Fitch vê malparado da banca a subir, mas abaixo dos níveis da crise da dívida

A qualidade dos ativos dos bancos vai deteriorar-se com a crise da pandemia, com uma subida do malparado. Mas não para os níveis da crise da dívida, segundo a Fitch.

A Fitch considera que os bancos portugueses estão vulneráveis a uma contração económica mais prolongada. A agência de notação financeira vê o crédito malparado subir em consequência da recessão, mas não para os níveis da crise da dívida.

A quebra económica sem precedentes por causa da pandemia do coronavírus é um risco chave para os ratings dos bancos portugueses, com a recessão severa a pressionar o ambiente operacional dos bancos, a qualidade dos ativos, os lucros e a capitalização”, começa por dizer a agência de notação financeira num relatório publicado esta sexta-feira.

A Fitch lembra que as perspetivas de longo prazo já eram limitadas para a maioria dos bancos à entrada para a crise. Por isso diz: “A manutenção de almofadas de capital adequadas e a gestão ativa dos ativos problemáticos vão ser fatores chave para os atuais níveis de rating“.

Em relação à qualidade dos ativos, os bancos deverão assistir a um deterioração do seu balanço até ao próximo ano. Por outro lado, não deverá recuperar a rentabilidade antes de 2022 devido aos elevados encargos com imparidades para crédito e à pressão nas receitas.

Destacando as medidas de resposta à pandemia, designadamente as moratórias, as linhas de crédito Covid-19 e os apoios às empresas, a agência afirma que “deverão ajudar a qualidade do crédito no curto prazo”, havendo incerteza sobre o que poderá acontecer depois.

Porém, a Fitch não espera que o crédito malparado em Portugal atinja os níveis observados na recessão de 2011-2014. O rácio de malparado na banca portuguesa chegou a superar os 15%. A agência explica que os bancos estão hoje menos expostos a grandes devedores e endividamento do setor privado é hoje em dia mais reduzido. Sobre os rácios de capital, os bancos deverão observar uma “erosão moderada” este ano.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Fitch vê malparado da banca a subir, mas abaixo dos níveis da crise da dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião