Grupo Generali regista quebra de 57% no lucro semestral

  • ECO Seguros e Lusa
  • 4 Agosto 2020

O grupo italiano cresceu 1,2% em prémios de seguro direto até junho, destacando eficiência técnica, resiliência operacional e, ainda, contribuição positiva da operação consolidada em Portugal.

A Generali SpA alcançou um lucro 774 milhões de euros no primeiro semestre, em declínio de 56,7% face aos 1 789 milhões de euros obtidos em igual período do ano fiscal anterior. A quebra do lucro líquido é explicada por imparidades no negócio Vida na Suíça (156 milhões), a contribuição feita para o fundo internacional de emergência no combate à pandemia e a provisões para cobrir desvalorização de ativos nos mercados financeiros. Excluindo estes elementos, o resultado líquido ajustado recuou em torno de 21%.

O grupo segurador comunicou uma boa “solidez patrimonial” apesar do “contexto sem precedentes” com assinaláveis consequências macroeconómicas e financeiras provocadas pela pandemia de covid-19.

O resultado operacional da maior seguradora italiana ascendeu aos 2,71 mil milhões de euros de janeiro a junho, em decréscimo de 0,4% na comparação com idêntico período do ano anterior, quando este se situou em 2 724 milhões de euros.

No entanto, o relatório da Generali salienta o desempenho técnico com aumento superior a 16% no resultado consolidado gerado pelo negócio P&C (não Vida) e destaca a contribuição de 56 milhões de euros do negócio em Portugal (Tranquilidade e outros ativos da Seguradoras Unidas SA).

O total dos prémios de seguro direto foi de 36.478 milhões de euros, mais 1,2% que os 35.728 milhões consolidados pelo grupo italiano na primeira metade de 2019. Destes, os prémios do ramo Vida ascenderam a 24.645 milhões de euros (mais 1,3%) e os do ramo não Vida atingiram os 11.833 milhões de euros, uma subida de 0,9%, em termos homólogos.

Comentando os números do semestre, o presidente executivo da Generali, Philippe Donnet, disse que o grupo demonstrou “solidez e excelência técnica” num momento “sem precedentes” e que aproveitou a ocasião para acelerar a sua inovação e transformação digital.

Confirmando a “excelência técnica e resiliência operacional” apontadas por Donnet, a companhia italiana indica melhor rácio combinado (89,5% contra 91,8% em junho de 2019) e apresenta margem de 3,94% sobre novos negócios, confirmando ainda posição sólida ao nível de capital, com o rácio de solvência nos 194% (-2 pps face ao apurado no final do primeiro trimestre).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo Generali regista quebra de 57% no lucro semestral

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião