Seguradoras pagaram 4,45 mil milhões no 1º semestre

  • ECO Seguros
  • 4 Agosto 2020

Depois de uma quebra de dois meses, no fim do primeiro semestre os custos das companhias com sinistros já estão ao nível do ano passado. O efeito da pandemia parece estar ultrapassado.

Os dados de sinistralidade do primeiro semestre do ano revelam que, apesar da subida dos custos para as seguradoras registados no início do ano e a baixa de acidentes durante o período da pandemia, o nível de indemnizações voltou a subir em junho, acima do normal, o que faz o nível de custos com sinistros estar ao nível de igual período do ano passado.

Os custos com sinistros nos ramos Não Vida tiveram forte impulso em junho, comparando com igual mês do ano passado. Automóvel e multiriscos foram a grande subida e os Acidentes de Trabalho estão de novo a aumentar.

 

No conjunto dos ramos Vida e Não Vida o valor total dos pagamentos das seguradoras atingiu 4,45 mil milhões de euros no primeiro semestre deste ano, um valor superior em 1% ao registado em igual período de 2019. O ramo Vida aumentou 1%, enquanto os ramos Não Vida reduziram os custos para as seguradoras em 0,5% no semestre.

No ramo Vida existiu uma baixa generalizada das seguradoras, que resultam de indemnizações devidas pelos efeitos das apólices (como pagamentos em caso de morte da pessoa segura) ou de resgates, de levantamentos antecipados de valores investidos planeados para disponibilização em data posterior.

No primeiro semestre deu-se uma subida de 56,4% no pagamento de PPR certamente relacionada com a facilidade dada pelo governo ao permitir o resgate sem penalização fiscal, para permitir às famílias fazer face aos efeitos da pandemia e do confinamento obrigatório e das eventuais perdas de rendimentos daí decorrentes.

Ainda na vida os produtos de capitalização conduziram a pagamentos 18,4% inferiores, estes investimentos seguem uma tendência de abandono causado pelo ambiente de baixas taxas de juro e fracos rendimentos que daí proporcionam, principalmente quando as seguradoras deixaram de garantir, tal como os bancos, rendimentos mínimos para os produtos.

Os seguros de risco puro, muito associados a créditos à habitação, crédito ao consumo e cartões de crédito, também sofreram uma quebra nos pagamentos por parte das seguradoras em 11,8% no semestre face ao ano passado. Os produtos de rendas vitalícias mantiveram o nível de pagamentos.

Sinistros em Não Vida descem 0,5% no semestre, mas sobem 21,8% em junho

O último mês do primeiro semestre trouxe um crescimento dos custos das seguradoras, nos ramos Não Vida, de 21,8% superior face ao ano passado. No mês de junho, os custos com sinistros em acidentes de Trabalho já só foram inferiores em 9,3% comparado com junho de 2019 (a diferença tinha sido de -25% em maio), em saúde a baixa foi de apenas 2,8%, mas em contrapartida os custos com o ramo automóvel subiram 15,7%. Em incêndios e outros danos (onde se incluem os produtos multirisco) quadruplicaram os pagamentos relativos a empresas e subiram 20,7% os custos relativos a habitação e condomínios.

Subida substancial também aconteceu em Responsabilidade Civil Geral, ficando apenas o ramo de transportes como o único em que as indemnizações quase não aconteceram refletindo as paragens da atividade económica verificada na maioria do tempo deste primeiro semestre.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Seguradoras pagaram 4,45 mil milhões no 1º semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião