Marsh & McLennan eleva faturação aos 7,5 mil milhões de euros até junho

  • ECO Seguros
  • 5 Agosto 2020

O grupo que integra a Marsh e outras empresas globais encerrou o segundo trimestre de 2020 com o lucro líquido a disparar 72%, enquanto o resultado operacional cresceu acima de 20% no 1º semestre.

O grupo Marsh & McLennan Companies (MMC), especialista global de serviços profissionais em consultoria de risco, estratégia e gestão de pessoas, apurou 8,8 mil milhões de dólares (perto de 7,5 mil milhões de euros) de receita consolidada no primeiro semestre (+5% face a igual período de 2019).

O lucro operacional avançou 21% (+13% em base ajustada, para 2,2 mil milhões de dólares), apurando lucro líquido de 1,3 mil milhões ou o equivalente a um EPS ajustado (lucro por ação) de 2,96 dólares por título, 10% acima do alcançado um ano antes.

Comentando os números, Dan Glaser, CEO e presidente da MMC, afirmou: “Sinto-me emocionado pelo apoio extraordinário dos nossos colegas e dos nossos clientes, e de uns aos outros, nestes tempos tumultuosos.”

Os serviços Risk and Insurance geraram 5,5 mil milhões do total do volume de negócio, progredindo 10% (+4% em base subjacente), com o lucro operacional a crescer 24%, para 1,6 mil milhões de dólares (cerca de 1,34 mil milhões de euros ao câmbio corrente). Braço do grupo na atividade de risco e corretagem de seguros, a Marsh registou mais 3% de faturação face a igual período em 2019.

O relatório da companhia norte-americana destaca análise ao segundo trimestre (abril a junho), apontando um incremento de 72% no lucro líquido atribuível, o qual ascendeu aos 572 milhões de dólares. Os números indicam um recuo de 3,7% na receita consolidada pela MMC, para 4,19 mil milhões de dólares, com o negócio da Marsh a progredir ligeiros 0,2%, para 2,1 mil milhões de dólares.

Dado que o volume de negócios gerado pelas quatro subsidiárias que compõem a MMC superou os 3,3 mil milhões de despesa global no trimestre (-9,9% face a idêntico período de 2019), o resultado operacional trimestral apurado foi de 885 milhões, mais 30% variação homóloga.

A entidade (MMC) integra as empresas Marsh, Guy Carpenter, Mercer e a Oliver Wyman.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marsh & McLennan eleva faturação aos 7,5 mil milhões de euros até junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião