Conheça os selecionados da fase II do Portugal FinLab

  • ECO Seguros
  • 6 Agosto 2020

Foi anunciada lista de tecnológicas selecionadas na segunda fase da 2ª edição do Portugal FinLab. Entre as cinco semifinalistas do concurso nenhuma insurtech.

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), uma das entidades reguladoras que organiza o FinLab, divulgou as cinco selecionadas de entre 11 fintechs que se apresentaram ao segundo batch da edição deste ano do Portugal Finlab.

As startups selecionadas para o Pitch Day (agendado para setembro) são a Swood; Apres; SV- Pay24; a Finanfly e a impactMarket, abrangendo ecossistemas como gestão de benefícios de colaboradores, pagamentos, soluções de AI e análise de dados para processos de decisão, banca eletrónica e meios de pagamento e uma aplicação móvel que ajuda a gerir rendimentos e donativos.

De acordo com informação anteriormente divulgada pelos organizadores do Portugal FinLab (Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões; CMVM e Banco de Portugal), um total de 32 startups de tecnologia financeira (fintech) apresentaram-se este ano a concurso (21 na 1ª fase e 11 na 2ª fase do concurso), menos 18% face às 39 que acorreram às duas fases da edição de 2019.

As insurtech (tecnológicas com soluções dedicadas a seguros) estiveram bem representadas em 2019, o que não se verificou este ano.

Num processo marcado por algumas alterações de datas e prazos, devido ao impacto da pandemia (covid-19), a primeira fase de candidaturas à presente edição do concurso foram pré-selecionados os projetos das startups Alfredo; iwels; MContabilidade; Coverflex (insurtech) e Criptalia.

O Portugal Finlab é um Innovation Hub que pretende ser uma ponte ou um canal privilegiado de comunicação e colaboração entre inovadores e os três reguladores do sistema financeiro nacional, possibilitando ainda a ligação dos empreendedores com incumbentes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conheça os selecionados da fase II do Portugal FinLab

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião