Lucro da Coca-Cola European Partners cai 75% no 1.º semestre. Portugal é um dos países onde a queda foi maior

  • Lusa
  • 6 Agosto 2020

A queda mais significativa das vendas ocorreu em Espanha, Portugal e Andorra, o que significa que esta região deixou de ser a mais importante para a Coca-Cola European Partners ao nível das vendas.

A Coca-Cola European Partners teve um lucro de 126 milhões de euros no primeiro semestre, menos 75% que em igual período de 2019, com o negócio afetado pela covid-19, sobretudo no mercado ibérico, anunciou hoje o grupo.

A faturação total caiu 16,6% até meados deste ano, para 4.837 milhões de euros, de acordo com o relatório dos resultados enviado à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV).

A maior queda das vendas ocorreu em Espanha, Portugal e Andorra, com uma diminuição de 28,5% nos primeiros seis meses do exercício, para 917 milhões de euros, o que significa que, pela primeira vez, esta região não é a mais importante para a Coca-Cola European Partners (CCEP) ao nível das vendas.

O mercado do norte da Europa lidera agora em termos de faturação, com 1.072 milhões de euros (-13%), seguido pelo Reino Unido, com 1.026 milhões de euros (-11%) e pela Alemanha, com 1.014 milhões (- 13,5%).

A única região atrás da Península Ibérica é a França, com uma faturação de 808 milhões de euros e uma queda de 16% na primeira metade deste ano, na comparação com igual período do ano passado.

No primeiro semestre, o resultado de exploração bruto (EBITDA) da empresa caiu 42%, para 600 milhões de euros, e a dívida líquida em 30 de junho foi de 6.215 milhões, superior em 1,7% que no final do ano fiscal de 2019.

Os responsáveis pela empresa, que no ano fiscal de 2019 revelaram que empregavam 3.705 pessoas, menos 215 que no ano anterior, incluíram entre os riscos para o negócio a possibilidade de que alguns governos de países onde opera possam responder à pandemia com “alterações nos níveis de tributação”, aumentando assim alguns impostos relacionados com a sua atividade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucro da Coca-Cola European Partners cai 75% no 1.º semestre. Portugal é um dos países onde a queda foi maior

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião