Canadá promete retaliar protecionismo dos EUA em relação ao seu alumínio

  • Lusa
  • 7 Agosto 2020

“O Canadá vai responder de maneira rápida e contundente”, garantiu a vice-primeira-ministra canadiana, em resposta às novas taxas alfandegárias impostas pelo EUA ao alumínio canadiano.

O Governo do Canadá anunciou, esta sexta-feira, que vai aplicar taxas alfandegárias a importações provenientes dos EUA como retaliação pela decisão do vizinho sulista de reaplicar taxas de 10% sobre as compras de alumínio canadiano.

A vice-primeira-ministra canadiana, Chrystia Freeland, afirmou em conferência de imprensa que o seu Governo vai abrir um período de consultas, durante um mês, para determinar que produtos metálicos dos EUA vão ser objeto de direitos alfandegários.

A panóplia de produtos que podem vir a ficar sujeitos a este agravamento na alfândega é ampla e inclui latas de refrescos e cerveja, máquinas de lavar e materiais de construção. “O Canadá vai responder de maneira rápida e contundente”, garantiu Freeland.

Segundo a vice-primeira-ministra, os produtos que venham a ser afetados pelo aumento das taxas alfandegárias vão ter um valor estimado de 3,6 mil milhões de dólares do Canadá (2,7 mil milhões de dólares dos EUA).

Ao anunciar na quinta-feira a reintrodução de direitos alfandegários de 10%, a Casa Branca justificou-se com a acusação ao Canadá de este ter desrespeitado o seu compromisso de “não inundar” o mercado dos EUA com o seu alumínio.

No início de julho, ao comentar os rumores sobre esta decisão da Casa Branca, o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, disse que os EUA não tinham capacidade de produção suficiente e precisavam do alumínio canadiano para as suas indústrias automóvel e de alta tecnologia.

A Câmara Americana (dos EUA) do Comércio foi rápida a criticar o Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmando que ia “aumentar os custos para os produtores” deste país, que a maior parte dos fabricantes de alumínio dos EUA” se opunha a estas taxas e que a decisão ia “gerar medidas de represália contra as exportações dos EUA”.

A medida protecionista da Casa Branca ocorre passadas poucas semanas da entrada em vigor do novo acordo de comércio livre entre EUA, Canadá e México, que começou a funcionar no início de julho, em substituição do de 1994.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Canadá promete retaliar protecionismo dos EUA em relação ao seu alumínio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião