FPF prevê lucros de 1,5 milhões de euros em 2020/2021

  • Lusa
  • 10 Agosto 2020

A Federação Portuguesa de Futebol prevê um saldo positivo de 1,532 milhões de euros no orçamento para a época 2020/2021, que vai ser votado em Assembleia-Geral a 26 de agosto.

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) prevê um saldo positivo de 1,532 milhões de euros no orçamento para a época 2020/21, que vai ser votado em Assembleia-Geral (AG) no dia 26 de agosto.

De acordo com os documentos enviados aos delegados, a que a Lusa teve hoje acesso, o resultado positivo previsto é semelhante ao registado na presente temporada. Na reunião magna, marcada para o próximo dia 26, às 17h00, na Cidade do Futebol, em Oeiras, vai ser apresentado o orçamento, que contempla 83 milhões de euros de receitas e 81,5 milhões de euros de despesas.

A maior fatia das despesas vai ser aplicada às seleções, num total de 24 milhões de euros, sendo 13,6 milhões de euros para a principal, quatro para as femininas e futsal e 2,7 milhões de euros para os escalões de formação, destacando-se ainda os gastos com provas nacionais e eventos, de 17 milhões de euros e 5,7 milhões de euros, respetivamente.

A principal fonte das receitas federativas decorre dos direitos de transmissão, publicidade e patrocínios, num total de 36 milhões de euros, estando ainda cabimentados 13,6 milhões de euros com a participação no Euro2020, adiado para 2021 devido à pandemia de coronavírus.

Também no dia 26, vai realizar-se uma AG extraordinária para ratificar as alterações ao Regulamento Disciplinar da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP). Em 28 de julho, a LPFP aprovou, entre outros casos, a punição de comportamentos discriminatórios de género e orientação sexual, equiparando-os à discriminação racial e o agravamento das multas aos clubes por atraso no reinício dos jogos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FPF prevê lucros de 1,5 milhões de euros em 2020/2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião