Bares e discotecas não são obrigados “a servir bolas de Berlim”, esclarece Siza Vieira

  • ECO
  • 13 Agosto 2020

O ministro da Economia explicou que os bares e discotecas não têm de funcionar exatamente como cafés ou pastelarias, mas sim de acordo como as regras desses estabelecimentos.

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, esclareceu esta quinta-feira que os bares e as discotecas não têm de funcionar exatamente como cafés ou pastelarias, mas sim de acordo com as regras que estes últimos estabelecimentos têm de cumprir. Em causa está a limitação na lotação e nos horários, as normas de organização de espaço e o respeito pelas regras de saúde pública, clarificou na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros.

Não é que eles [bares e discotecas] sejam obrigados a servir bolas de Berlim. Ficam é sujeitos a funcionar de acordo com as regras estabelecidas para cafés e pastelarias“, afirmou Siza Vieira, após ter sido questionado sobre o tema. Na prática, isto significa que os bares e as discotecas têm de ter lugares marcados, lotação limitada e horários de funcionamento específicos.

Perante uma questão sobre a adesão a este novo modelo de funcionamento decidido no final de julho, Siza Vieira não concretizou: “Daquilo que vamos conhecendo em várias regiões do país, estes estabelecimentos têm vindo a funcionar com maior ou menor adesão“. Na semana passada, a Lusa noticiava que não houve adesão a esta nova regra.

“Isto não vem resolver nada. É uma não resposta e faz com que permaneçam os mesmos problemas no setor. O que diz é que as discotecas têm de continuar fechadas”, afirmou à Lusa José Gouveia, da Associação Nacional de Discotecas. O artigo replicava ainda críticas feitas por empresários do Sul ao Norte do país que apelidaram a medida de “ridícula” e “inviável”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bares e discotecas não são obrigados “a servir bolas de Berlim”, esclarece Siza Vieira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião