Pandemia golpeia CNP Assurances. Receita cai 32% até junho

  • ECO Seguros
  • 14 Agosto 2020

A pandemia teve “impactos significativos” na atividade operacional da primeira metade do ano, assume a instituição que nomeou Verónique Weill para presidir ao conselho de administração.

A CNP Assurances, líder em França em seguros Vida e de créditos hipotecários, contabilizou declínio de 32,3% no volume de negócios do primeiro semestre, face a igual período de 2019, refletindo “impactos significativos” da pandemia (Covid-19) na “atividade operacional”.

As receitas recuaram aos 11,5 mil milhões de euros (-32,3% reportados ou -29% em base cambial constante), detalha a instituição do setor público líder em soluções de previdência e poupança-reforma. O resultado bruto de exploração caiu 16,2%, para 1,31 mil milhões de euros, com o resultado líquido consolidado a situar-se e 629 milhões de euros, menos 8,5% comparando com os ganhos apurados entre janeiro e junho de 2019. A margem sobre novo negócio desceu de 17,1%, no final de 2019, para 11,1%.

A taxa de cobertura medida pela margem de solvabilidade (SCR) foi calculada em 214%, contra 227% de fundos próprios no termo de 2019.

Citado no comunicado, Antoine Lissowski, Diretor-geral, afirma que a CNP Assurances “demonstra a resiliência do seu modelo de negócios e a pertinência da sua gestão de risco financeiro e técnico, prosseguindo a estratégia de transformação da sua notoriedade em França”.

Com modelo de negócio em que a distribuição assenta numa rede de parceiros, sobretudo bancos, o encerramento de atividades por causa da Covid-19 teve impacto fortemente negativo na atividade do grupo.

O volume de negócios encolheu 3,6 mil milhões no conjunto, distribuindo-se por -2,9 mil milhões em França; -800 milhões na América Latina (o Brasil é maior mercado do grupo fora da Europa) e em -400 milhões de euros na Europa (excluindo França), refere a entidade detalhando “elementos ligados à crise financeira e sanitária”, como determinantes dos números apresentados.

No comunicado, a instituição recorda ainda medidas extraordinárias extracontratuais que assumiu no quadro da pandemia, desde o apoio financeiro a famílias com maiores vulnerabilidades e com crianças, aos desembolsos feitos para reforçar o fundo nacional de solidariedade francesa a favor de pequenas empresas e profissionais independentes, por um total de algumas dezenas de milhões de euros.

Véronique Weill nomeada para presidência do CA

A CNP Assurances, que atualmente integra um movimento de reorganização do setor financeiro empresarial do Estado, anunciou a nomeação de uma mulher para a presidência do seu conselho de administração (CA). Verónique Weill, até aqui diretora geral do grupo Publicis, vai liderar a administração da seguradora, em substituição de Jean-Paul Faugère, que cessou funções para exercer a vice-presidência da autoridade de supervisão de seguros em França.

Em reunião do CA, a 31 de julho, a CNP Assurances designou Weill como administradora e presidente para assegurar a transição até final do ano, altura em deixará a Publicis, para se dedicar com plenitude às responsabilidades que assume na instituição de seguros e previdência.

Weill, de 60 anos, tem formação de base em Literatura e Ciência Política, complementada com pós-graduação em economia. Iniciou carreira profissional na Arthur Andersen e acumulou experiência relevante na banca e seguros (JP Morgan Chase, em Nova Iorque, e diversos cargos de direção no grupo Axa), estando à frente da Publicis desde 2017.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pandemia golpeia CNP Assurances. Receita cai 32% até junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião