Produção de petróleo em Angola só deverá subir a partir de 2024

  • Lusa
  • 22 Agosto 2020

A Economist Intelligence Unit considera que a produção de petróleo em Angola só vai aumentar em 2024 devido à falta de investimentos e à estratégia das petrolíferas para resistir à pandemia.

A Economist Intelligence Unit (EIU) considera que a produção de petróleo em Angola só vai aumentar em 2024 devido à falta de investimentos nos últimos anos e à nova estratégia das companhias petrolíferas para resistir à pandemia de covid-19.

“Com poucos investimentos nos últimos anos, a produção de petróleo tem estado em declínio desde 2016, quando atingiu o pico de 1,79 milhões de barris por dia, que compara com 1,39 milhões no ano passado, e este ano, com os preços em queda e as restrições impostas pela OPEP [Organização dos Países Exportadores de Petróleo], a produção não deverá passar os 1,25 milhões“, escreve a unidade de análise económica da revista britânica The Economist.

No comentário, enviado aos clientes e a que a Lusa teve acesso, a EIU diz que “a atividade exploratória das últimas rondas de licitação vai demorar vários anos até dar resultados, por isso a produção vai continuar a cair até 2023 e só deverá voltar a subir em 2024”. Mesmo assim, acrescentam, esta previsão comporta riscos que surgem devido à nova estratégia seguida pelas companhias petrolíferas no seguimento das consequências da pandemia.

Se o atual cenário de preços baixos e procura menor continuar, as companhias vão provavelmente sair de alguns mercados; a maioria da nova atividade de exploração em Angola está a ser feita em águas ultra-profundas, o que é muito caro e tecnicamente difícil, por isso é um mercado de onde as companhias quereriam sair se forem forçadas a definir prioridades”, alertam os analistas.

Ainda assim, ressalvam, a previsão aponta para um cenário positivo a médio prazo: “O atual ambiente de preços baixos vai diminuir o interesse dos investidores na exploração a curto prazo, mas a nossa previsão central continua a apontar para que, quando os preços recuperarem, Angola vai atrair interesse dos investidores petrolíferos num contexto de revitalização do setor”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Produção de petróleo em Angola só deverá subir a partir de 2024

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião