Quebras na aviação levam AIE a cortar previsão para a procura de petróleo em 2020

A agência cortou a previsão para a procura de petróleo em 2020, alertando que a redução das viagens aéreas devido à pandemia do coronavírus deverá ditar uma redução em 8,1 milhões de barris por dia.

A Agência Internacional de Energia (AIE) cortou a sua previsão para a procura de petróleo em 2020, alertando que a redução das viagens aéreas devido à pandemia do coronavírus deverá ditar uma redução em 8,1 milhões de barris por dia na procura global da matéria-prima.

O alerta da agência sedeada em Paris surge no seu relatório mensal publicado esta quinta-feira. Neste documento, a AIE diz esperar que a procura global contraia em 8,1 milhões de barris este ano, mais 140 mil do que no relatório anterior, para um total de 91,9 milhões de barris. Trata-se da primeira vez em vários meses que a agência prevê uma contração mais acentuada da procura global do “ouro negro” em 2020.

“A procura de combustível pela aviação continua a ser a principal fonte de fraqueza”, disse a AIE no seu relatório mensal. “Em abril, o número de quilómetros feitos pela aviação caiu quase 80% em relação ao ano passado e em julho o défice ainda era de 67%… Os setores de aviação e transporte rodoviário, ambos componentes essenciais do consumo de petróleo, continuam a lutar”, enquadrou ainda.

A agência diz ainda que, embora a oferta tenha superado a procura em junho, a incerteza sobre a procura futura, a que acresce o aumento da produção por parte dos principais produtores, significa que o reequilíbrio dos mercados de petróleo será “delicado”.

Relativamente ao próximo ano, a AIE prevê uma recuperação da procura de 5,2 milhões de barris por dia, um corte ligeiro face ao antecipado no mês passado. O processamento das refinarias deve cair 6,9 milhões de barris por dia, com a recuperação do próximo ano a dever ficar abaixo dos níveis históricos de 2018, refere a AIE.

No dia em que são conhecidas as mais recentes previsões da AIE para a evolução do mercado petrolífero, as cotações do “ouro negro” seguem em queda ligeira mais próximo de máximos de cinco anos.

O preço do barril de brent cede 0,18%, para os 45,35 dólares, no mercado londrino, enquanto o crude transacionado em Nova Iorque recua 0,21%, para os 42,58 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quebras na aviação levam AIE a cortar previsão para a procura de petróleo em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião