Lotação da Festa do Avante reduzida a metade é igual ao Estádio do Porto cheio, ironiza Rui Rio

  • ECO
  • 13 Agosto 2020

Líder do PSD mostra-se expectante em relação à redução do número de pessoas que o Governo vai anunciar para o Avante. Rio realça que metade da lotação corresponde ao estádio do Porto ou SCP cheios.

A festa do Avante continua a dar que falar. A lotação oficial do recinto é de 100 mil pessoas, mas a ministra da Saúde, Marta Temido, já avançou que a lotação máxima tinha de ser revista e inferior à capacidade máxima. O líder do PSD, Rui Rio mostra-se expectante em relação à redução do número de pessoas que o Governo vai anunciar e pede coerência.

Rui Rio já se pronunciou através da sua conta do Twitter e lembra que reduzir para metade a lotação do evento corresponde aos estádios do Porto ou Sporting “completamente cheios”.

“Se reduzirem a lotação máxima (100.000 pessoas) em 50%, ela passará a corresponder ao Estádio do Porto ou do Sporting completamente cheios. Aguardo com expectativa qual será a anunciada redução que o Governo irá fazer, em coerência com a sua obrigação de defesa da saúde pública”, escreve o líder do PSD no Twitter.

 

O Partido Comunista Português já reagiu ao comentário do líder do PSD e acusou Rui Rio de desonestidade política e “má-fé”. “Há afirmações tão ridículas que só podem assentar numa aversão sem limites ao PCP e à sua luta pelos direitos dos trabalhadores e do povo”, respondeu o PCP, em nota divulgada pelo gabinete de imprensa comunista.

Para o PCP, “comparar lotações de estádios de futebol, fingindo ignorar a diferença de área desses espaços com o terreno da Festa do Avante!, que é cerca de 20 vezes maior, só pode ser compreendido por má-fé e desonestidade política subjacentes aos tiques da conhecida intolerância democrática desta pessoa”, escreve o Partido Comunista Português, na sua página de Facebook.

A organização comunista da Festa do Avante garante que vai cumprir todas as regras de distanciamento e higiene. O dirigente do PCP, Alexandre Araújo, confirmou que a venda de bebidas alcoólicas, por exemplo, vai respeitar “legislação e regras em vigor”, pois, “neste momento, é proibida a sua venda depois das 20h00, à exceção de estabelecimentos de restauração”. Na conferência de imprensa de apresentação do evento, o responsável evitou adiantar números em relação ao número de bilhetes vendidos ou qualquer previsão de visitantes.

(Notícia atualizada às 13h05 com a reação do PCP ao comentário de Rui Rio)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lotação da Festa do Avante reduzida a metade é igual ao Estádio do Porto cheio, ironiza Rui Rio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião