Fundos Corum investem 133 milhões na compra de 8 edifícios no segundo trimestre

  • ECO
  • 25 Agosto 2020

Entre as aquisições dos fundos da francesa Corum encontra-se o edifício na Noruega que alberga um concessionário e centro de assistência da fabricante americana Tesla.

A Corum, uma sociedade francesa que gere ativos de mais de quatro mil milhões de euros, investiu 132,7 milhões de euros na aquisição de oito edifícios, entre abril e junho, através dos seus fundos Corum Origin e Corum XL.

Em comunicado, a Corum, cujos fundos também são comercializados em Portugal, adianta que as aquisições foram realizadas na Holanda, Itália, Reino Unido, Polónia e Noruega.

As principais compras foram realizadas nos últimos dois países: na Polónia, adquiriu um edifício no valor de quase 62 milhões de euros, onde trabalham 1.500 colaboradores da empresa de transportes DSV; já na Noruega comprou um edifício que alberga um concessionário e centro de assistência da fabricante de automóveis norte-americana Tesla.

“Estas aquisições inserem-se nos planos de longo prazo dos nossos fundos. A pandemia da Covid-19 veio reforçar a nossa estratégia de investir na economia real. Estamos convencidos de que o valor dos nossos imóveis está na qualidade do arrendatário e na sua capacidade de pagar renda a longo prazo”, refere José Gavino, diretor da Corum em Portugal.

“Os novos edifícios apresentam rentabilidades iniciais interessantes que chegam aos 8,48%, têm arrendatários de setores como as telecomunicações, transporte internacional de mercadorias, bricolage ou carros elétricos. São setores que mostraram grande resiliência e até crescimento durante o período de confinamento na Europa”, acrescenta.

A Corum lembra ainda que os seus fundos, que investem apenas em imóveis comerciais, já aplicaram mais de 60 milhões de euros em Portugal, onde tem uma sucursal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundos Corum investem 133 milhões na compra de 8 edifícios no segundo trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião