Fidelidade lidera ranking das seguradoras. Tranquilidade ganha mercado

O primeiro semestre penalizou as seguradoras com negócio no ramo Vida e os dois maiores grupos baixaram o seu peso no mercado. Apenas 7 grupos ou seguradoras em 22 conseguiram crescer.

A Tranquilidade/Generali aumentou de 9,6% para 13,9% a sua quota no mercado português de seguros, comparando a sua produção no 1º semestre de 2020 e 2019 com base em dados divulgados pela ASF, entidade supervisora do setor. Fidelidade e Ageas mantêm os dois primeiros lugares do ranking estabelecido por ECOseguros, embora ambos tenham perdido, cada um, dois pontos de quota de mercado nos primeiros seis meses deste ano.

Os efeitos da pandemia contribuíram para uma quebra geral do mercado de 27,5%, provocado essencialmente pela quebra, para metade, na área dos seguros de vida, que afetou especialmente as companhias especializadas neste ramo, já penalizado pelo baixo, longo e contínuo nível das taxas de juros nos mercados mundiais. Também as companhias mistas (que exploram os ramos Vida e Não Vida) baixaram 22% a sua produção com as seguradoras apenas dedicadas a ramos Não Vida a conseguirem crescer 3,8% em relação ao primeiro semestre do ano passado.

O grupo Fidelidade mantém-se líder de mercado nacional com 28% de quota no mercado total com quebra em todas as suas empresas, exceto na Via Directa que cresceu 7,2% graças à sua marca OK! Teleseguros, vocacionada para vendas por canais remotos, online e por telefone, que revelou grande utilidade em época de Covid-19.

Uma forte quebra na Ocidental Vida, a maior seguradora da Ageas Portugal, provocou uma baixa de 37% nas vendas do grupo que manteve o segundo lugar no ranking nacional com 18,1% de quota de mercado. Na terceira posição o grupo Tranquilidade/Generali que junta informalmente as antigas companhias da Seguradoras Unidas (Tranquilidade, Açoreana e LOGO) com a Generali Vida e Não Vida e ainda a Europ Assistance, cresceu 3% a sua produção.

Em relação a crescimento em tempos de crise, a Caravela destacou-se crescendo 30% a sua produção, duplicando a sua quota de mercado para 1,2% no primeiro semestre de 2020 relativamente 2019. Também a Allianz subiu vendas 2,8% e ganhou 3 lugares no ranking sendo agora a 4ª maior empresa ou grupo no país. Uma evolução positiva também foi verificada para o grupo CA (+5%), Victoria (+3%) Mapfre (+1%) e Cosec (+1,6%).

Os dados apresentados pela ASF respeitam apenas às seguradoras que operam em Portugal com sociedades de direito português e, assim, sujeitas à supervisão do regulador nacional. Seguradoras que operam através de uma sucursal ou em LPS – Livre Prestação de Serviços, não são abrangidas nas informações agora divulgadas.

A Zurich, que é o 6º maior grupo segurador a atuar em Portugal segundo números de 2019 com fonte na APS, baixou neste primeiro semestre em 70% a sua atividade com a Zurich Vida, sociedade de direito português, mas os ramos Não Vida são explorados pela Zurich Insurance plc, com sede na Irlanda. Por esse motivo, a atividade Não Vida da seguradora suíça não está incluída nesta informação da APS.

Também outras seguradoras com importância no mercado português não estão incluídas nesta informação, casos da Liberty, Metlife, Hiscox, Bankinter, AIG, Asisa ou Chubb, todas a operar através de sucursais ou em LPS.

O ranking do ECOseguros, com base nos dados divulgados pela ASF, analisou 41 seguradoras de direito português, agregadas em 22 grupos seguradores ou seguradoras independentes. Este grupo representou 88,2% da produção no primeiro semestre deste ano, sendo o restante obtido por sucursais de empresas da União Europeia. É estabelecida uma comparação com os dados do primeiro semestre de 2019.

Veja aqui o ranking:

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fidelidade lidera ranking das seguradoras. Tranquilidade ganha mercado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião