Huawei pela primeira vez na lista dos 50 primeiros no ranking Fortune Global 500

  • Servimedia
  • 31 Agosto 2020

A gigante chinesa de telecomunicações faz parte do ranking da revista norte-americana desde 2010 e este ano conseguiu classificar-se na 49º posição.

A Huawei obteve uma receita de 105.216 milhões de euros no seu último ano fiscal, fazendo a empresa chinesa avançar para a 49º posição do ranking Fortune Global 500, que classifica as empresas de acordo com as receitas e lucros. Na lista desde 2010, esta é a primeira vez que a Huaewi surge no top 50.

Em 2019, o gigante das telecomunicações classificou-se em 72º lugar e este ano, dentro do seu setor, rede e outros equipamentos de comunicação, surge como a empresa com mais receitas, longe da Cisco Systems, que ocupa o 211º lugar, com 43.934 milhões de euros de receitas, e da Nokia, em 488º, com 22.086 milhões de euros de receitas.

A revista norte-americana destaca a ascensão da Huawei apesar dos “persistentes enredos geopolíticos” em torno da empresa, que levaram ao seu afastamento como fornecedor de rede 5G em julho no Reino Unido e à sua “exclusão virtual do mercado dos EUA”, onde está sujeita a sanções governamentais por motivos de segurança nacional.

“Huawei continua a ser o segundo maior vendedor de smartphones do mundo em volume, graças em grande parte ao seu crescente domínio na China, onde teve uma quota de mercado de 41% no primeiro trimestre de 2020″, acrescenta a publicação.

No último ano fiscal, a Huawei viu crescer as suas receitas em 14% face ao ano anterior e o seu lucro líquido aumentou 1,2%, para 7.669 milhões de euros.

O primeiro lugar do ranking Global 500 é ocupado pela cadeia de lojas Walmart, que teve receitas de 443.484 milhões de euros no seu último ano fiscal (mais 1,9% do que no ano anterior), e aumentou os seus lucros em 123,1%.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Huawei pela primeira vez na lista dos 50 primeiros no ranking Fortune Global 500

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião