UE contribui com 400 milhões em iniciativa global para financiamento da vacina

  • Lusa
  • 31 Agosto 2020

Esta iniciativa tem por objetivo acelerar o desenvolvimento e o fabrico de vacinas contra a covid-19 e garantir um acesso justo e equitativo para todos os países do mundo.

A Comissão Europeia anunciou esta segunda-feira a sua adesão à COVAX, uma iniciativa global que pretende tornar equitativo o acesso a uma vacina para a covid-19, prometendo mobilizar 400 milhões de euros para esse objetivo.

“A Comissão Europeia confirmou hoje o interesse em participar no mecanismo COVAX para um acesso equitativo e universal a vacinas contra a covid-19 a preços acessíveis para todos os que delas necessitem. No quadro do esforço da Equipa Europa, a Comissão também anuncia hoje uma contribuição de 400 milhões de euros em garantias”, informa o executivo comunitário em nota de imprensa.

Gerida pela Aliança para as Vacinas (GAVI), pela Coligação para a Inovação na Preparação para Epidemias (CEPI) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS), esta iniciativa tem por objetivo acelerar o desenvolvimento e o fabrico de vacinas contra a covid-19 e garantir um acesso justo e equitativo para todos os países do mundo.

A COVAX está neste momento a trabalhar com produtores de vacinas e governos para garantir acesso global e equitativo a uma vacina que se mostre segura e possa ser licenciada e aprovada, tendo no seu portefólio nove candidatas a vacina e em avaliação outras nove. Segundo dados divulgados pela OMS na passada segunda-feira, um total de 172 economias estão já envolvidas em discussões para participarem na COVAX.

De forma a poder garantir doses suficientes de vacinas para proteger os mais vulneráveis, como profissionais de saúde e idosos, o próximo passo desta parceria é confirmar a intenção de potenciais participantes com capacidade de se autofinanciarem se juntarem ao projeto, prazo esse que termina esta segunda-feira, sendo seguido pela oficialização dos compromissos até 18 de setembro e pelos primeiros pagamentos adiantados a serem feitos o mais tardar até 9 de outubro.

A forma como a vacina será distribuída equitativamente pelas economias participantes está ainda a ser definida pela OMS, sendo o papel da plataforma COVAX o de usar de forma agregada o poder de compra de todas as economias participantes para assegurar compras de grande dimensão entre as potenciais candidatas a vacina, fornecendo empresas com capacidade de produção em larga escala e meios de investir antecipadamente na capacidade de produção, aumentando assim as hipóteses de acesso rápido a uma vacina bem sucedida.

Entre as nove candidatas a vacina para a covid-19 mais promissoras há sete em ensaios clínicos, neste momento.

Ainda de acordo com os dados da semana passada, governos, produtores de vacinas, organizações e indivíduos a título pessoal já se comprometeram com cerca de 1.187 milhões de euros para a investigação da vacina, mas é necessário, com urgência, cerca de 850 milhões de euros mais para garantir o alargamento do portefólio da COVAX, com outras potenciais nove candidatas em análise.

O objetivo da COVAX é até ao final de 2021 distribuir dois mil milhões de doses de vacinas eficazes que cumpram os critérios para aprovação.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UE contribui com 400 milhões em iniciativa global para financiamento da vacina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião