Fisco estreou-se no Facebook por causa da Covid. Já tem mais de 6.000 “amigos”

  • Tiago Lopes
  • 2 Setembro 2020

A AT já estava no Twitter, mas agora criou um novo canal de comunicação no Facebook. Há quem aplauda, mas também há quem aproveite para deixar recados.

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), que já tinha página criada no Twitter, chegou ao Facebook e já conta com mais de 6.000 “amigos”. A iniciativa recebeu muitos elogios, mas são também muitos os que aproveitaram esta página para “descarregarem” o seu desagrado com a entidade responsável pela cobrança dos impostos.

A página no Facebook foi criada com o objetivo de ser mais um canal de comunicação atendendo à impossibilidade de prever a evolução da pandemia de Covid-19 e que obrigou a uma redefinição da estratégia na forma de atender os contribuintes, explica Nuno Félix, subdiretor-geral da área da Relação com o Contribuinte aos trabalhadores.

“O Facebook da AT será aquilo que — em conjunto — a instituição, os seus funcionários e os contribuintes fizerem dele. A nossa aposta é clara: utilizar este novo canal para publicar conteúdos que apoiem no cumprimento das obrigações fiscais e aduaneiras, alertar os contribuintes para o cumprimento dos eventuais prazos e promover uma maior consciencialização da sociedade em geral para o papel da AT”, assinala.

A página, acaba de lançar, conta com alguns milhares de likes, sendo que os primeiros post da AT estão já a gerar reações, tanto positivas como outras menos abonatórias para a máquina fiscal.

“Parabéns Sr. Ministro Leão! Uma entrada a fazer jus ao nome!”, escreve um utilizador no primeiro post que dá conta da criação do novo canal de comunicação. “Adoro-vos. Minha instituição governamental preferida. Adoro trocar cartas convosco”, escreve outro utilizador do Facebook em tom irónico.

No mesmo post, que já tem mais de 300 likes e 30 comentários, um utilizador aproveita para questionar se na página agora criada o tempo de resposta por parte da AT vai ser mais rápido. “Tenho mensagens por responder no site da AT… Será que dá para enviar por aqui a ver se é mais rápido?”

Os problemas técnicos que normalmente afetam a performance do site do Portal das Finanças também não foram esquecidos. “O servidor vai aguentar?“, questiona outro seguidor da página.

O segundo post que aparece na página também mereceu a atenção dos internautas. Um vídeo colocado na página despertou a curiosidade dos utilizadores que questionaram porque é que o vídeo não tem som. “E o vídeo da corrupção quando é publicado?”, pergunta outro seguidor no Facebook.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fisco estreou-se no Facebook por causa da Covid. Já tem mais de 6.000 “amigos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião