Auditoria mostra que a “resolução foi deficiente e a doença do BES passou para o Novo Banco”, diz o PS

João Paulo Correia afirma mesmo que esta pode ter sido a "resolução mais deficiente à escala europeia". 

Depois de serem conhecidos os resultados da auditoria da Deloitte, o deputado socialista João Paulo Correia aponta que esta veio confirmar que a “resolução foi deficiente e a doença do Banco Espírito Santo (BES) passou para o Novo Banco”, em declarações transmitidas pelas televisões. O socialista afirma mesmo que esta pode ter sido a “resolução mais deficiente à escala europeia”.

O PS define as culpas, defendendo que o “banco está contaminado pelos ativos tóxicos que deviam ter ficado no BES mas passaram para o Novo Banco por decisão do anterior Governo PSD/CDS e também Banco de Portugal (BdP)”. Para o partido, o BdP “não conseguiu estancar aquilo que era a necessidade de uma capitalização maior”, que a auditoria mostra que “era manifestamente insuficiente para cobrir as imparidades”.

João Paulo Correia aponta que, a partir do documento, é também possível perceber que “muitos ativos que geraram perdas no Novo Banco e, com isso, suscitaram injeções de capital, estiveram sobrevalorizados“. Desta forma, “créditos sem qualquer tipo de garantias reais que transitaram do balanço do BES para o Novo Banco, com mesmo valor”, geraram perdas no imediato. “Na altura que resolveram o BES não foram capazes de deixar lá estes ativos tóxicos”, conclui.

Quanto à divulgação da auditoria externa ao BES e ao Novo Banco, que revelou esta terça-feira perdas líquidas de 4.042 milhões de euros no Novo Banco, o deputado adiantou que o PS concorda que “o que não for sigilo bancário deve ser do conhecimento público”, algo já definido também pelo presidente da comissão de orçamento.

(Notícia atualizada às 16h05)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Auditoria mostra que a “resolução foi deficiente e a doença do BES passou para o Novo Banco”, diz o PS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião