“Auditorias são como as sondagens: valem o que valem. O Novo Banco está doente”, diz Rio

Auditoria externa revelou perdas líquidas de 4.042 milhões de euros no Novo Banco. Líder do PSD diz que mais importante é que haja uma investigação do Ministério Público.

A auditoria externa ao Banco Espírito Santo (BES) e ao Novo Banco devia focar-se nas perdas verificadas já depois da venda do banco ao Lone Star, diz Rui Rio, em reação à divulgação do documento esta madrugada. O líder do PSD defende ainda que o importante agora é que o Ministério Público investigue as perdas e o seu impacto para as contas públicas.

“O Novo Banco está doente e os contribuintes é que pagam”, disse Rio, em declarações transmitidas pelas televisões após uma visita ao Hospital de S. João no Porto. “O BES já todos sabemos a desgraça que foi e todos nós pagamos a fatura. O fundamental é saber, a partir do momento em que foi vendido à Lone Star (em 2017), o que é que aconteceu com todas essas perdas por forma a perceber se o dinheiro que os contribuintes pagaram está correto ou não”.

A auditoria externa ao BES e ao Novo Banco revelou esta terça-feira perdas líquidas de 4.042 milhões de euros no Novo Banco, de acordo com informações divulgadas pelo Governo, que tornou público apenas um resumo e não o documento. Segundo o ministério das Finanças, o “relatório descreve um conjunto de insuficiências e deficiências graves” até 2014.

Tal como a generalidade do público, os deputados ainda não tiveram acesso ao relatório, mas Rio põe o foco na investigação judicial. “As auditorias são como as sondagens, valem o que valem. O que é fundamental no Novo Banco é que possa haver uma investigação a sério no Ministério Público para se aferir em que condições é que essas perdas aconteceram”, acrescentou.

O relatório, elaborado pela empresa de auditoria Deloitte e entregue esta segunda-feira ao Governo, analisou atos de gestão no Banco Espírito Santo e no Novo Banco, desde 1 de janeiro de 2000 até 31 de dezembro de 2018, e incidiu sobre 283 operações que integram o objeto da auditoria, abrangendo, portanto, quer o período de atividade do Banco Espírito Santo, quer o período de atividade do Novo Banco.

(Notícia atualizada às 12h35)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“Auditorias são como as sondagens: valem o que valem. O Novo Banco está doente”, diz Rio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião