“Auditorias são como as sondagens: valem o que valem. O Novo Banco está doente”, diz Rio

Auditoria externa revelou perdas líquidas de 4.042 milhões de euros no Novo Banco. Líder do PSD diz que mais importante é que haja uma investigação do Ministério Público.

A auditoria externa ao Banco Espírito Santo (BES) e ao Novo Banco devia focar-se nas perdas verificadas já depois da venda do banco ao Lone Star, diz Rui Rio, em reação à divulgação do documento esta madrugada. O líder do PSD defende ainda que o importante agora é que o Ministério Público investigue as perdas e o seu impacto para as contas públicas.

“O Novo Banco está doente e os contribuintes é que pagam”, disse Rio, em declarações transmitidas pelas televisões após uma visita ao Hospital de S. João no Porto. “O BES já todos sabemos a desgraça que foi e todos nós pagamos a fatura. O fundamental é saber, a partir do momento em que foi vendido à Lone Star (em 2017), o que é que aconteceu com todas essas perdas por forma a perceber se o dinheiro que os contribuintes pagaram está correto ou não”.

A auditoria externa ao BES e ao Novo Banco revelou esta terça-feira perdas líquidas de 4.042 milhões de euros no Novo Banco, de acordo com informações divulgadas pelo Governo, que tornou público apenas um resumo e não o documento. Segundo o ministério das Finanças, o “relatório descreve um conjunto de insuficiências e deficiências graves” até 2014.

Tal como a generalidade do público, os deputados ainda não tiveram acesso ao relatório, mas Rio põe o foco na investigação judicial. “As auditorias são como as sondagens, valem o que valem. O que é fundamental no Novo Banco é que possa haver uma investigação a sério no Ministério Público para se aferir em que condições é que essas perdas aconteceram”, acrescentou.

O relatório, elaborado pela empresa de auditoria Deloitte e entregue esta segunda-feira ao Governo, analisou atos de gestão no Banco Espírito Santo e no Novo Banco, desde 1 de janeiro de 2000 até 31 de dezembro de 2018, e incidiu sobre 283 operações que integram o objeto da auditoria, abrangendo, portanto, quer o período de atividade do Banco Espírito Santo, quer o período de atividade do Novo Banco.

(Notícia atualizada às 12h35)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Auditorias são como as sondagens: valem o que valem. O Novo Banco está doente”, diz Rio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião