Moratórias pesam mais no Novo Banco

  • ECO
  • 1 Setembro 2020

Um terço das moratórias dadas pelo Novo Banco, que carrega o maior peso deste mecanismo, corresponde ao segmento empresarial. O mais exposto aos particulares é o BPI.

Os quase 400 mil clientes que adiaram o pagamento do crédito dividem-se entre os cinco maiores bancos com negócio em Portugal, mas o “peso” destas moratórias é mais expressivo no balanço do Novo Banco, de acordo com o Jornal de Negócios (acesso pago) que cita dados da Associação Portuguesa de Banco (APB).

No Novo Banco, as 38 mil moratórias — num total de 6,8 mil milhões de euros — correspondem a um quarto (25,4%) do crédito consolidado, com maior exposição no segmento empresarial: um terço do total de moratórias do Novo Banco corresponde a créditos de empresas. Já o banco mais exposto aos particulares é o BPI.

Os dados da APB mostram também que até junho foram libertados seis mil milhões de euros em linhas de crédito. Neste apoio, é o BCP quem se destaca ao ter disponibilizado 2,2 mil milhões de euros em 13 mil operações. O Novo Banco e o BPI foram os que concederam montantes mais reduzidos.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Moratórias pesam mais no Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião