Meo ultrapassa Nos como líder na televisão paga

Número de assinantes de serviço de televisão por subscrição atingiu os 4,15 milhões, mais 165 mil que no período homólogo. É o maior crescimento anual em termos absolutos e relativos desde 2016.

A Meo tornou-se, no primeiro semestre do ano, líder no mercado de televisão paga, ultrapassando a Nos e longe da Vodofane o Nowo. Dados divulgados esta terça-feira pela Anacom indicam que o número de assinantes do serviço de televisão por subscrição registou a maior subida absoluta desde 2016 e atingiu os 4,15 milhões, mais 165 mil (ou 4,1%) que no período homólogo.

“A MEO passou a ser o prestador com a quota de assinantes do serviço de TVS mais elevada (39,8%), seguindo-se o Grupo NOS (39,7%), a Vodafone (16,7%) e a NOWO (3,7%)”, aponta a Anacom sobre o final do semestre. “A Vodafone e a MEO foram os prestadores que, em termos líquidos, mais assinantes captaram face ao mesmo período do ano anterior”.

O crescimento do mercado deve-se, segundo a Autoridade Nacional de Comunicações, às ofertas suportadas em fibra ótica (FTTH), que registaram mais 263 mil assinantes face ao mesmo período do ano anterior (14,8%), ultrapassando os dois milhões de acessos. A FTTH é a principal forma de acesso a este serviço (49% do total de assinantes), seguida da televisão por cabo (31,9%), do DTH (11,1%) e do ADSL (8,0%), tal como vem acontecendo desde o início de 2018.

“Registou-se, simultaneamente, uma desaceleração da tendência de queda do número de assinantes de DTH e de ADSL, assim como da tendência de crescimento do número de assinantes de FTTH. Esta evolução poderá estar associada ao impacto da Covid-19 sobre a atividade dos prestadores e sobre as necessidades dos utilizadores. Destaca-se ainda o eventual efeito da redução da mensalidade das ofertas 3P por satélite que ocorreu no semestre em análise”, explica.

No primeiro semestre de 2020, cerca de 89,3% das famílias dispunham do serviço de distribuição de sinal de televisão por subscrição, o que representa um crescimento de 3,3 pontos percentuais face a igual período do ano anterior.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Meo ultrapassa Nos como líder na televisão paga

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião