Moody’s com olhar negativo sobre seguros na Europa

  • ECO Seguros
  • 8 Setembro 2020

Rentabilidade dos investimentos em baixa, novas contingências em batalhas legais, o ramo Vida em queda. Seguradoras da União Europeia vão enfrentar grandes desafios.

A agência de rating Moody’s, em relatório recentemente publicado, deixa alertas à atividade seguradora europeia, a quem atribui outlook negativo por causa dos desafios e problemas associados aos efeitos diretos e indiretos da pandemia de Covid-19. A rentabilidade vai cair, esperando-se igualmente uma redução, ainda que ligeira, dos rácios de solvência das maiores companhias a operar na Europa.

O setor segurador europeu não deverá poder respirar de alívio nos próximos meses, com os desafios que a pandemia de Covid-19 veio agravar e criar. O último outlook da Moody’s para as seguradoras europeias, em geral, é negativo, com o ramo vida a ser o mais afetado.

A avaliação da agência de notação de risco coloca em ‘negativo’ as perspetivas das maiores seguradoras francesas, britânicas, alemãs, italianas e holandesas no ramo Vida. No Não Vida, salvam-se os casos britânico, italiano e alemão, com outlook estável, face ao negativo em França e na Holanda.

A nota da Moody’s, intitulada Seguros europeus: durante e após a Covid-19, recentemente divulgada, assinala que “os rácios de solvência gozam de resiliência, mas são altamente sensíveis a riscos adversos”.

O documento da agência avança que “a rentabilidade do setor vai ser afetada”, à medida que aumentam os riscos políticos, social e legais. E conclui que, após 2020, avizinham-se “riscos acrescidos para os seguradores quer do ramo Vida, quer Não Vida”.

Solvência em queda

Em termos de solvência, a Moody’s lembra que, no ano passado, o rácio de cobertura do requisito de capital de solvência (SCR) médio da indústria rondou os 210%, mas, no final de março deste ano, já se havia reduzido entre 10 e 15 pontos percentuais, para o intervalo 195%-200%. Em Portugal, no primeiro semestre deste ano, este valor foi de 165% para a indústria seguradora nacional, segundo a ASF, entidade supervisora do setor.

Na origem da revisão em baixa do SCR estão efeitos de medidas políticas, e do próprio mercado, em regra, fruto da pandemia causada pelo novo Coronavírus.

A pressionar o rácio de solvência têm estado fatores como a redução das taxas de juro e de retorno nos mercados de capitais ou o aumento dos spreads nos créditos. A Moody’s reviu igualmente em baixa as carteiras de títulos das 26 seguradoras onde se baseou para calcular a redução do rácio de solvência.

A afetar a rentabilidade, segundo a agência, estão fatores diretamente ligados à pandemia, como o aumento da mortalidade, que levou a Moody’s a atribuir perspetiva negativa às resseguradoras SCOR e RGA, mais problemas de saúde pública, assim como o acréscimo de medidas de proteção a nível laboral.

A rentabilidade é igualmente afetada pelo aumento do número de pedidos de compensação, imparidades associadas a ativos, pela incerteza associada ao retorno de seguros associados a fundos de investimento e, claro, pela redução generalizada da atividade económica.

Medidas como o distanciamento social, por seu turno, afetam também negativamente a atividade das empresas, com impacto em especial nos seguros do ramo Não Vida. Em contrapartida, esta medida pode reduzir, no curto prazo, o impacto sobre a saúde pública, assim como na pressão sobre o ramo Não Vida no setor do retalho.

Por fim, a recessão generalizada leva a agência a colocar sob outlook ‘negativo’ as seguradoras de crédito Coface e Atradius.

“As seguradoras dificilmente beneficiarão da crise”, indica a Moody’s, que enumera riscos políticos, sociais e jurídicos sobre o setor.

A indústria, lembra, sofre pressões políticas para conceder apoios a fundo perdido, para conceder contribuições monetárias e, no limite, pode vir a ser chamada a suportar novas taxas ou impostos.

Em termos de pressão social, a Moody’s destaca os pedidos de estorno, uma situação de que há “inúmeros exemplos por toda a Europa”.

Por fim, no campo jurídico, há pressão resultante de litígios sobre as cláusulas de exclusões associadas a interrupções de negócios causadas pela pandemia. Nesta fase, de acordo com a Moody’s, existem casos destes em análise por tribunais arbitrais em Inglaterra, estando em curso estudos sobre o tema em França.

“A transformação dos modelos de negócio do ramo Vida tornou-se mais desafiante, pois os seguros associados a fundos de investimento estão co-relacionados com o desempenho dos mercados de capitais”, avança a agência de notação de risco, que dá ainda conta do desafio por detrás da mudança de comportamento dos consumidores, por exemplo, em relação a viagens ou ao recurso a tecnologia.

Em março, recorde-se, uma análise da Moody’s dava conta de que a Covid -19 e a interrupção de negócio expunham as seguradoras a riscos reputacionais . Na nota, a agência referia que a generalidade das apólices comerciais subscritas por seguradoras que operam em três dos maiores mercados da Europa – Alemanha, França e Reino Unido – não cobre interrupção de negócios motivada por crises pandémicas. Mas, apesar de exposição limitada em termos de indemnizações diretas, as seguradoras poderão sofrer impacto reputacional, caso o volume de pedidos de compensação cresça, concluiu a agência.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s com olhar negativo sobre seguros na Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião