Metade dos portugueses confia nas vacinas, menos que outros países

  • Lusa
  • 11 Setembro 2020

Investigadores estimam que 50,20% das pessoas confia na segurança das vacinas, um número que sobe para 54,94% quando se avalia a eficácia.

Cerca de metade dos portugueses confia na segurança e eficácia das vacinas, um número relativamente baixo, à semelhança do resto da Europa, em comparação com outras regiões.

A revista científica The Lancet publicou hoje os resultados da última edição do projeto “Vaccine Confidence”, da London School of Hygiene & Tropical Medicine, que analisou e comparou dados de 2015 e 2019 de vários inquéritos nacionais em 149 países sobre o nível de confiança das pessoas nas vacinas, em relação à sua segurança, eficácia e importância.

Para Portugal, os investigadores estimam que 50,20% das pessoas confia na segurança das vacinas, um número que sobe para 54,94% quando se avalia a eficácia.

Em comparação com 2015, em dezembro de 2019 os portugueses confiavam mais nas vacinas, registando-se uma diferença de 12 pontos percentuais em relação à segurança e 14 pontos percentuais em termos de eficácia.

Nos dois campos, o país está ligeiramente acima da média da União Europeia onde, segundo os resultados, a confiança na vacinação continua baixa em comparação com as outras regiões: países como o Uganda, Bangladesh, Índia ou Burundi estão entre aqueles que mais confiam.

À semelhança de Portugal, também na Europa a tendência parece ser para confiar cada vez mais, mas os investigadores destacam alguns países onde, por outro lado, são a desconfiança e a oposição que tendem a crescer, como o Azerbaijão, Afeganistão, Paquistão ou Sérvia, refletindo os climas de instabilidade política e extremismo religioso.

Os investigadores também associam os baixos níveis de confiança à desinformação, considerando que essa é uma das principais ameaças à resiliência dos programas de vacinação.

“Por vezes, há um risco genuinamente pequeno que é rapidamente difundido e amplificado para parecer muito maior”, afirmou Heidi Larson, a investigadora que liderou o estudo, referindo também a polarização do debate público e a desconfiança em relação ao governo e às elites científicas.

Além da segurança e da eficácia das vacinas, o estudo olha também para a opinião das pessoas em relação à importância da vacinação e aqui a maioria dos países parece considerar que as vacinas, mais que eficazes e seguras, são importantes.

“Os nossos resultados sugerem que as pessoas não descartam necessariamente a importância da vacinação nas crianças, mesmo que tenham dúvidas sobre quão seguras são”, explicou outra investigadora, Clarissa Simas, acrescentando que, por isso, a comunidade científica tem de “fazer melhor” para melhorar os níveis de confiança.

Portugal não é exceção e se cerca de metade dos portugueses confia na segurança e eficácia das vacinas, a percentagem estimada de portugueses que em 2019 consideravam que a imunização é importante era de 69%, à semelhança de 2015.

Considerando o contexto atual da pandemia da Covid-19, os investigadores sublinham que a necessidade de acompanhar a opinião da população em relação à vacinação é ainda maior, para que seja possível responder de forma rápida a eventuais quebras na confiança pública.

“É vital, com a ameaça de novas doenças como a Covid-19, que monitorizemos regularmente atitudes públicas para identificar rapidamente países e grupos com um declínio na confiança, para que possamos ajudar a orientar onde é preciso criar confiança e otimizar o recurso a novas vacinas”, defendeu Heidi Larson.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Metade dos portugueses confia nas vacinas, menos que outros países

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião