Real Vida lança seguro saúde atento aos mais velhos

  • ECO Seguros
  • 17 Setembro 2020

Abrangendo toda gente, pode ser subscrito até à idade legal de reforma e não tem idade máxima de permanência. A Real Vida ataca o ramo saúde.

A Real Vida lançou o Real Seguro de Saúde que tem como principais atributos uma idade máxima de subscrição correspondente à idade legal de reforma, o reforço de capital de ambulatório ou hospitalização em caso de doenças graves, adicionando um conceito alargado de agregado familiar podendo incluir ascendentes e filhos com mais de 24 anos.

Marta Graça Ferreira, vice-presidente da Real Vida: “Este novo Seguro acompanha o aumento da procura pelos portugueses, que têm uma maior preocupação e necessidade de proteção da saúde”.

Uma das características é não não ter idade limite de permanência, o que o torna teoricamente vitalício, embora se trate de um seguro anual renovável. O prémio é calculado anualmente em função da idade da pessoa segura e das coberturas contratadas.

“O Real Seguro de Saúde tem características únicas e diferenciadoras como, por exemplo, o reforço de capital de Ambulatório e/ou Hospitalização em caso de Doenças Graves além das oncológicas”, salienta Marta Graça Ferreira, vice-presidente da companhia e responsável pelos Canais de Distribuição, Fundos de Pensões e Marketing acrescentando que “os cuidados médicos são prestados em Portugal e Espanha, o que se traduz num conforto adicional para toda a família”.

A Real Vida Seguros, companhia portuguesa independente de bancos, era, no final de 2019, a 19ª maior companhia portuguesa, com 108 milhões de euros de prémios emitidos. É a 11ª maior companhia no ramo Vida e tem uma posição pouco expressiva no ramo saúde. Daí que Marta Ferreira afirme que “esta nova aposta no novo Seguro de Saúde vai aumentar, naturalmente, o peso dos Seguros de doença no crescimento da Companhia”, referindo que “vai reforçar a nossa oferta e posição no mercado”.

Para lançamento a Real Vida apresenta uma política de descontos “bastante atrativa para os agregados familiares e descontos adicionais para actuais clientes”, indica a companhia, “ e oferece a 2ª mensalidade a todos os novos clientes do Real Seguro de Saúde.

O seguro tem três níveis de coberturas, simples, completo ou total, iniciando-se os preços em 28 euros mensais para um beneficiário de 35 anos até aos 79 euros por mês para coberturas de hospitalização, parto, ambulatório, morte por acidente e reforços de capital em ambulatório ou internamento em caso de doença grave.

A distribuição deste novo produto vai ocupar todos os canais da Real Vida: mediadores multimarca, mediadores exclusivos, Empresas, Financeiro, Pensões e Direto.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Real Vida lança seguro saúde atento aos mais velhos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião