BRANDS' ECO Gazelas com elevado volume de negócios: Gum Chemical e PetMaxi

  • BRANDS' ECO
  • 27 Setembro 2020

A Gum Chemical e a PetMaxi estão entre as empresas gazela apuradas em 2019, tendo-se destacado pelo elevado volume de negócios.

Apesar de se destacarem pelo volume de negócios que geram no apuramento de Empresas Gazela 2019, realizado pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), as duas empresas trabalham em áreas muito distintas.

A Gum Chemical dedica-se à produção de resina e localiza-se em Cantanhede; a PetMaxi é especializada no fabrico de rações para cães e gatos, e tem sede em Ferreira do Zêzere.

Gum Chemical faz crescer negócio da resina com desenvolvimento dos derivados

Criada em 2015, a Gum Chemical dedica-se à pesquisa, desenvolvimento, produção e comercialização de resinas e derivados, que ajudam em diversas áreas, desde a cosmética à indústria farmacêutica.

Depois de proceder à destilação e evaporação da resina natural, a empresa obtém dois produtos – colofónia (componente sólido da resina) e terebentina (componente líquido). Além destes dois produtos, a Gum Chemical também produz “Water White Rosin”, uma resina transparente com alto nível de pureza, cuja produção não existe em mais nenhum lugar no mercado nacional e europeu, o que a torna num produto diferenciado da empresa.

“Para o crescimento do volume de negócios contribuiu decisivamente a vertente de desenvolvimento, produção e disponibilização ao mercado de colofónias e terebentina, bem como como a capacidade de fornecer, sob ‘medida’ e pedido dos nossos clientes, produtos formulados de alto desempenho state-of-the-art e que constituem matérias-primas para as mais diversas indústrias”, começou por explicar Ricardo Pinho, gerente executivo da Gum Chemical.

"Sentimo-nos privilegiados, temos um sentimento de recompensa pelo trabalho de equipa e, ao mesmo tempo, sentimo-nos motivados a tentar reconquistar o prémio até ao momento em que não nos será mais possível!”

Ricardo Pinho

Gerente executivo da Gum Chemical

Colas, adesivos, ceras depilatórias, pneus, borrachas, tintas de impressão, produtos de limpeza, perfumes e produtos medicinais são alguns dos artigos para os quais a produção da resina se destina. A fazer face a este volume de negócios, está a unidade de produção da empresa, que processa entre 80 a 85 toneladas de resina por dia, mas tem capacidade para destilar 100 toneladas ao dia. No entanto, a responsabilidade de produção não está só na fábrica da Gum Chemical.

“Desde que iniciámos atividade, esforçamo-nos pela criação de sinergias de trabalho com outras empresas e instituições da região e, desta forma, além dos postos de trabalho diretos na nossa unidade de produção, criámos também muitos postos de trabalho indiretos”, explicou Ricardo Pinho.

Assim, o gerente da Gum Chemical considera que a empresa acaba por contribuir para o desenvolvimento económico da Região Centro, tanto pela criação de emprego, como pela “fixação na região de quadros técnicos superiores e de conhecimento cientifico”.

Gum Chemical
Gum ChemicalD.R.

Para o futuro, Ricardo Pinho garantiu que a aposta em produtos personalizados e a resposta à procura e necessidades dos clientes vão continuar a ser as prioridades da empresa. O gerente acrescentou ainda que receber a distinção de empresa Gazela contribui para esta vontade de fazer mais e melhor.

“Sentimo-nos privilegiados, temos um sentimento de recompensa pelo trabalho de equipa e, ao mesmo tempo, sentimo-nos motivados a tentar reconquistar o prémio até ao momento em que não nos será mais possível!”, rematou Ricardo Pinho.

Rações sem produtos geneticamente modificados são aposta da PetMaxi

Tal como a Gum Chemical, a PetMaxi também nasceu em 2015. Desde então tem-se dedicado ao fabrico de rações premium e super premium para cães e gatos. A inclusão de produtos frescos, como ovos e carnes, e ainda as opções sem cereais, são os fatores de diferenciação das rações produzidas pela empresa.

“Não utilizamos matérias-primas com organismos geneticamente modificados e todos os nossos alimentos, mesmo os mais económicos, oferecem benefícios que consideramos essenciais para a saúde e bem-estar animal”, garantiu Luís Guilherme, CEO da PetMaxi.

Aliado a estas vantagens está o controlo de qualidade rigoroso que a empresa faz aos produtos. Todas as matérias-primas usadas nas rações são analisadas em laboratórios de química e microbiologia para garantir segurança em todos as fases de fabrico. Como é a própria PetMaxi que fabrica o que vende, faz questão de acompanhar e certificar a qualidade durante o processo de produção – desde a entrada à expedição do produto.

"Ver a PetMAxi distinguida como empresa gazela é sentir reconhecimento no nosso trabalho, o que é mais um reforço positivo para nos motivar a continuar neste percurso, trazendo continuamente ofertas apelativas, e nacionais, às famílias com animais de companhia.”

Luís Guilherme

CEO da PetMaxi

“Um exemplo disso é sermos certificados pela IFS FOOD – International Feature Standards, um referencial de Qualidade e Segurança Alimentar, reconhecido mundialmente por auditar fabricantes de alimentos, demonstrando, assim, o nosso compromisso com a qualidade de todo o processo produtivo com a classificação mais alta do setor Higher Level”, garante Luís Guilherme.

A aposta em matéria-prima 100% portuguesa, a começar pelos fornecedores locais, é um dos segredos para o sucesso. “Desde o início da nossa atividade que temos como foco procurar o melhor do mundo e juntar ao que melhor se faz no nosso país”, explicou o CEO.

Começaram com 10 colaboradores e hoje em dia já são 50, mas Luís Guilherme garante que não vão ficar por aqui. Até agora só tinham uma linha de produção, mas neste momento já se encontram no processo de implementação da segunda linha. O objetivo é dar resposta ao crescente volume de negócios, proveniente da distribuição das rações da PetMaxi por todo Portugal continental e ilhas, e ainda em mais de 30 países.

Luís Guilherme, CEO da PetMaxi.D.R.

“Reconhecemos o impacto que temos na nossa região, quer pelos empregos diretos e indiretos que criamos, como pela fixação dos jovens, que aqui encontram estabilidade. À medida que vamos crescendo, vamos criando mais emprego, pagando mais impostos e contribuindo para o desenvolvimento económico e social da região e do país”, admitiu Luís Guilherme.

O crescimento no volume de negócios é evidente e o principal objetivo do CEO é continuar a dar prioridade à elaboração de um ótimo produto. De acordo com Luís Guilherme, o Prémio Gazela foi um reforço dessa vontade: “Ver a PetMaxi distinguida como empresa gazela é sentir reconhecimento no nosso trabalho, o que é mais um reforço positivo para nos motivar a continuar neste percurso, trazendo continuamente ofertas apelativas, e nacionais, às famílias com animais de companhia”.

Consulte aqui​ o estudo completo, com a listagem das empresas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gazelas com elevado volume de negócios: Gum Chemical e PetMaxi

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião