Há ofertas para turismo em Portugal com descontos até 50% pagos pelo Estado

O programa para estimular o turismo interno tem uma dotação de 50 milhões de euros. As promoções são comparticipadas pelas empresas e pelas entidades públicas.

“Vá para fora cá dentro” é uma frase que se ouve há cerca de 25 anos. Agora, volta a estar na ordem do dia, numa altura em que o turismo do país foi abalado pela pandemia de Covid-19. Para incentivar os portugueses a visitarem o país na época baixa, o Governo avançou com uma iniciativa com ofertas turísticas, disponíveis até 15 de dezembro, com descontos que chegam aos 50%.

Este programa, que é coordenado pelo Turismo de Portugal e no qual as promoções são comparticipadas em partes iguais pelas empresas e pelas entidades públicas, conta com uma dotação de 50 milhões de euros, segundo um comunicado do gabinete do Ministro de Estado, da Economia e Transição Digital.

Apelidada de #TuPodes – Visita Muito Por Pouco, a campanha estará disponível no site visitaportugal.pt, onde se distribui por várias plataformas, cada uma dedicada a uma tipologia de serviços turísticos. Entre elas encontra-se a Explora Portugal, que “permite a reserva de experiências turísticas e gastronómicas”, as páginas Click2Portugal, BookinXisto e Solares de Portugal, onde se encontram ofertas de alojamento, sendo que estas não estão ainda disponíveis no site.

Nestas ofertas incluem-se também museus e monumentos nacionais geridos pela Direção Geral do Património Cultural e viagens de comboio da CP-Comboios de Portugal, estes sim já disponíveis para consulta. Para a primeira, existem 17 itinerários diferentes, que “agrupam circuitos de visita ao património cultural por região ou por tema”. Os descontos são de 25% para indivíduos e de 45% para agregados familiares, sendo que os visitantes têm sete dias para usufruir de cada bilhete.

Já no caso da CP, poderá aproveitar 35% de desconto em viagens de ida e volta em Intercidades, InterRegional ou Regional. Este desconto, utilizado em conjunto com a reserva num hotel ou experiência turística, é válido para viagens entre o dia 1 de outubro e 15 de dezembro de 2020.

Para as experiências, existem várias categorias, como aventura, gastronomia e vinhos e natureza. Há, por exemplo, observação de golfinhos com 15% de desconto ou um workshop de Olaria com 20% de desconto.

O setor turístico foi um dos mais impactados pela pandemia. Depois de um recorde em 2019, este ano foi marcado pela quebra de receitas e postos de trabalho perdidos. Até julho, o turismo obteve 696,4 milhões de euros em proveitos totais, menos 70% do que no mesmo período do ano passado, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE). Já o número de turistas recebidos chegou aos 5,4 milhões, número que representa uma quebra de 64% face ao ano passado.

Com o objetivo de mitigar os impactos da pandemia, esta segunda-feira foi também anunciada outra medida para o setor, que prevê o reembolso do IVA do turismo e restauração em novas compras no setor. O objetivo é permitir aos portugueses que recuperem “parte do IVA pago nos serviços de turismo e restauração em novas compras no setor do turismo e restauração”, segundo explicou o primeiro-ministro, numa intervenção na Cimeira do Turismo Português.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há ofertas para turismo em Portugal com descontos até 50% pagos pelo Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião