Sete momentos mais “quentes” do debate entre Trump e Biden

Insultos, interrupções e acusações. A pouco mais de um mês das eleições, o primeiro debate das presidenciais norte-americanas foi tudo menos morno. Veja os momentos mais "quentes".

Os norte-americanos escolhem o próximo presidente a 3 de novembro e, a pouco mais de um mês das eleições, o primeiro dos três debates presidenciais agendados ficou marcado por insultos e acusações entre os dois candidatos Donald Trump e Joe Biden. Estes são alguns dos momentos mais marcantes do debate moderado por Chris Wallace, jornalista da Fox News.

“O pior Presidente que a América já teve”

A investigação do jornal The New York Times, que divulgou a declaração de impostos pagos por Trump, era um tema quase inevitável. Confrontado com as notícias de que teria pago apenas 750 dólares por ano, o presidente negou, dizendo que pagou milhões de dólares em impostos em 2016 e 2017. Biden responde que Trump paga menos impostos que um professor e acusa-o de ser o pior presidente que a América já teve. “Fiz mais em 47 meses do que o Joe em 47 anos”, responde Trump.

“Toda a gente sabe que ele é mentiroso”

A balança entre o sistema de saúde público e privado continua a ser também um dos tópicos mais controversos da política interna norte-americana. Trump criticou Biden por sempre ter apoiado o Medicare, dizendo que as políticas públicas no domínio da saúde são definidas em conjunto com Bernie Sanders e que estas não substituem os seguros de saúde privados. Biden rebate a acusação e ataca Trump: “Tudo o que foi dito até agora é mentira. Toda a gente sabe que ele é mentiroso”, afirma.

“Pode estar calado, homem?”

O Supremo Tribunal de Justiça norte-americano tem estado em foco com a mudança nas cadeiras, após a morte de Ruth Bader Ginsburg. Sem esperar pelas eleições, Trump já nominou a substituta, a conservadora Amy Coney Barrett. O atual presidente acusa o adversário de querer aumentar o número de juízes com vista a criar vantagens para o partido democrata. Biden foge à questão e, perante a insistência do candidato republicano, criou um dos momentos mais fortes da noite: manda calar Trump.

E não foi só o candidato democrata que mandou calar o presidente dos EUA. Num dos muitos momentos em que Donald Trump interrompe Biden. Chris Wallace, moderador do debate e jornalista da Fox News manda, literalmente, calar Trump. “Senhor Presidente, deixe-o [Biden] responder!”

“Proud Boys, estejam a postos”

Sobre as questões raciais, o moderador do debate Chris Wallace questiona Trump se este está disposto a condenar os grupos supremacistas de extrema-direita. Trump contorna a questão e diz que os problemas raciais que assolam a América nos últimos meses não são um problema da direita mas sim da esquerda ao mesmo tempo que faz um apelo aos Proud Boys, uma organização neo-fascista: “cheguem-se para trás e estejam a postos”.

“Isto não vai acabar bem!”

Um dos grandes receios de Trump em relação à sua reeleição veio à discussão quando o presidente afirma que o sistema de voto por correspondência pode não ser totalmente transparente, acusando os carteiros do estado da Virgínia de venderem os boletins de voto e de acabarem despejados nos rios. Biden contrapõe e diz que não há provas de que isso esteja a acontecer.

“Quando é preciso uso máscara, mas não a uso com ele [Biden]”

Com o alastrar da pandemia, Trump via com reticência o uso de máscara como medida de proteção eficaz contra o coronavírus, ao contrário do seu opositor, que assumiu o seu uso. Questionado sobre o uso de máscara, Trump afirma que a usa quando precisa mas não como Joe Biden, que usa a “maior máscara que alguma vez vi”. Em pano de fundo, são audíveis alguns risos de Biden.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sete momentos mais “quentes” do debate entre Trump e Biden

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião