Supervisor defende aumento das pensões do fundo de acidentes de trabalho

  • ECO Seguros
  • 30 Setembro 2020

A presidente da ASF defendeu na Assembleia da República o aumento das pensões atribuídas pelo Fundo de Acidentes de Trabalho. São 2035 as pessoas diretamente afetadas por pensões desvalorizadas.

A presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e de Fundos de Pensões (ASF), Margarida Corrêa de Aguiar, considerou, no parlamento, que deveria ser revista a legislação para aumentar o valor de pensões atribuídas pelo fundo de acidentes de trabalho.

“Valia a pena rever a legislação para rever algumas destas pensões. Algumas destas pensões são muitíssimos baixas, já não estão em sintonia com outros referenciais de prestações sociais e outras pensões”, afirmou Margarida Corrêa de Aguiar, acrescentando ser um tema que a entidade que lidera tem em agenda e que está a avaliar para propor alterações legislativas.

Segundo o relatório estatístico do Fundo de Acidentes de Trabalho, em final de 2019, havia 2.035 pensionistas com pensões em pagamento.

A responsável máxima pelo regulador dos seguros esteve hoje a ser ouvida na comissão de Orçamento e Finanças, no âmbito das audições regulares deste supervisor financeiro.

No início da audição, Margarida Corrêa de Aguiar fez um balanço do setor e do impacto da crise desencadeada pela covid-19, destacando o impacto no valor das carteiras de investimento e, logo, nas posições de solvência das empresas (que se reduziu). Ao mesmo tempo, houve um aumento do valor das responsabilidades.

No final de 2019, operavam em Portugal 71 empresas de seguros e 232 fundos de pensões.

Segundo a ASF, na última década, o setor segurador tem-se transformado. Atualmente, não há qualquer empresa de capital português entre as 10 maiores seguradoras em termos de produção e a quota dos grupos nacionais é de apenas 5% do total de ativos.

Há ainda vários grupos seguradores, com sede fora da União Europeia, os quais representam no total 43% dos ativos do setor segurador.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Supervisor defende aumento das pensões do fundo de acidentes de trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião