Cosec cresceu até junho contrariando quebra do mercado

  • ECO Seguros
  • 1 Outubro 2020

A companhia de seguros de crédito registou crescimento de atividade, mantendo liderança do mercado num período em que o ramo de seguro caução contraiu 20%.

A atividade da COSEC – Companhia de Seguro de Créditos no mercado dos Seguros Caução aumentou 35% no primeiro semestre de 2020, em comparação com o primeiro semestre de 2019, refere comunicado da companhia detida em partes iguais pelo BPI e pela Euler Hermes (grupo Allianz SE).

Referindo dados do organismo de supervisão do mercado (ASF), que avaliou “os prémios de seguro de novas apólices e produção continuada de Seguro Caução, a COSEC manteve a liderança da quota de mercado, situando-se esta nos 53,5%, num cenário em que o mercado deste ramo de seguros registou uma retração de 20%”, face ao período de janeiro a junho de 2019, realça a fonte.

“Estes resultados espelham a proatividade da atuação comercial da COSEC, nomeadamente em setores que, apesar do contexto pandémico, continuam a registar uma dinâmica interessante, como a indústria da saúde”, afirma Maria Celeste Hagatong, presidente do conselho de administração da COSEC.

“Acresce a qualidade do serviço prestado pela COSEC neste ramo de atividade, com resposta aos pedidos de emissão de apólice em menos de 24h, rigor e celeridade na decisão de plafonds de Seguro Caução e o desenvolvimento de novos produtos e soluções”, acrescenta Hagatong no mesmo comunicado.

As soluções de Seguro Caução da COSEC “permitem às empresas nacionais garantir o bom cumprimento das obrigações assumidas perante o beneficiário da caução,” complementa a comunicação corporativa.

Em situações em que há imposição legal ou regulamentar, é um meio para assegurar garantia de proteção do beneficiário perante incumprimento contratual e/ou financeiro de um tomador. O produto “permite uma diversificação das entidades garantes, nomeadamente relativamente ao sistema bancário”, explica ainda a companhia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cosec cresceu até junho contrariando quebra do mercado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião