Ex-diretor-geral do FMI Rodrigo Rato sai da prisão e fica com pulseira eletrónica

  • Lusa
  • 1 Outubro 2020

A magistratura tomou esta decisão depois de, na terça-feira passada, Rodrigo Rato ter sido absolvido de um outro caso, o da entrada do Bankia na bolsa de valores em 2011.

A Justiça espanhola concedeu um regime de semiliberdade ao ex-diretor-geral do FMI e antigo ministro da Economia espanhol Rodrigo Rato, a cumprir uma pena de prisão de quatro anos e meio pelo delito de corrupção.

O detido deverá sair da prisão em que está detido em Madrid nas próximas horas ou dias, passando a ser controlado através de uma pulseira eletrónica, mas a decisão abre a porta a que peça a liberdade condicional, devido à sua idade (71 anos) e problemas de saúde.

A magistratura tomou esta decisão depois de, na terça-feira passada, Rodrigo Rato ter sido absolvido de um outro caso, o da entrada do Bankia na bolsa de valores em 2011, em que também era suspeito de fraude. O juiz explica que a decisão é tomada exatamente porque foi absolvido nesse caso, tem tido um bom comportamento na prisão e já pagou a responsabilidade civil da pena a que foi condenado.

O antigo diretor-geral do FMI e ex-ministro da Economia espanhol deu entrada na prisão em outubro de 2018 para cumprir uma pena de quatro anos e meio pelo seu envolvimento no escândalo financeiro dos “cartões black” do banco Caja Madrid. O ex-banqueiro foi condenado em fevereiro de 2017 pelo desvio de fundos da Caja Madrid, que agora se chama Bankia, entidade a que presidiu de 2010 a 2012.

O escândalo dos “cartões black” (negro em inglês, a cor dos cartões de crédito) era um esquema que a Caja Madrid dava aos seus dirigentes e pessoas de confiança, para pagar despesas pessoais sem limite e sem declarar nada ao fisco.

Rodrigo de Rato foi membro do Partido Popular (direita) que o expulsou na sequência deste escândalo financeiro. O economista foi vice-presidente e ministro da Economia do Governo de José María Aznar, entre 1996 e 2004, e diretor-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), de junho de 2004 até junho de 2007.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ex-diretor-geral do FMI Rodrigo Rato sai da prisão e fica com pulseira eletrónica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião