Agricultores de Coimbra querem seguros que paguem prejuízos do mau tempo pela totalidade

  • Lusa
  • 3 Outubro 2020

Os agricultores reclamam a possibilidade de fazer seguros individuais ou coletivos, através dos quais os prejuízos são pagos “no valor total afetado a partir de um euro.”

A associação dos agricultores de Coimbra vai solicitar uma audiência à Agência Portuguesa do Ambiente e à direção de agricultura para apresentar os prejuízos causados pelo mau tempo. “Devido ao mau tempo ocorrido em setembro, há prejuízos em mais de 100 hectares de milho de grão e silagem no Baixo Mondego, envolvendo dezenas de agricultores”, indicou a Associação Distrital dos Agricultores de Coimbra (ADACO), notando que o prejuízo da área afetada ronda os 300 mil euros.

Os agricultores referiram que os seguros não pagam o montante em causa, uma vez que estes só cobrem prejuízos, no mínimo, em 30% da exploração agrícola e com ventos de 70 quilómetros por hora ou mais.

Para a ADACO deve existir a possibilidade de fazer seguros individuais ou coletivos, através dos quais os prejuízos são pagos “no valor total afetado a partir de um euro” e o Governo deve adotar medidas para apoiar os agricultores em causa.

Neste sentido, a associação vai pedir uma reunião, “com caráter de urgência”, à Direção Regional de Agricultura do Centro. Por outro lado, os agricultores de Coimbra lamentam que as obras feitas no leito periférico direito do Rio Mondego “sejam insuficientes”, o que pode levar a um novo desmoronamento do dique.

“A APA aquando das cheias em finais de 2019, ao tirar toneladas de areia do Rio Mondego a montante da ponte de S. Clara, depositando-as depois a jusante desta mesma ponte entre Coimbra e Montemor-o-Velho, originou que nestas zonas o rio ficasse com pouca capacidade de armazenamento de água, o que contribuiu em muito para que as cheias atingissem a dimensão que tiveram, e causar os imensos prejuízos que conhecemos na agricultura e infraestruturas”, sublinhou, vincando que “estão criadas as condições” para novas cheias e, consequentes, prejuízos.

A ADACO vai também pedir uma audiência à delegação de Coimbra da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), esperando que esta “ouça os agricultores”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Agricultores de Coimbra querem seguros que paguem prejuízos do mau tempo pela totalidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião