Tempestade Alex provoca mil milhões de prejuízo em França

  • ECO Seguros
  • 6 Outubro 2020

Após danos provocados por chuvas torrenciais e ventos muito fortes em França, a federação de seguros afirma que, face à catástrofe, as companhias estão mobilizadas e vão acelerar indemnizações.

A região francesa dos Alpes Marítimos e parte do norte de Itália foram fortemente fustigados por intensa chuva da tempestade Alex que, na última semana, provocou vítimas mortais e dezenas de pessoas desaparecidas em resultado de inundações e violentas correntes em linhas de água, aluimentos de terra, árvores arrancadas e destruição de diversas infraestruturas, em particular em França.

De acordo com estimativa adiantada pela Saretec, empresa especialista na modelação de danos causados por eventos de grande dimensão, uma aproximação preliminar dos estragos da catástrofe, que também varreu parte da região oeste de França ascende, por enquanto, a 20 milhões de euros abrangendo cerca de 7800 edifícios afetados pela borrasca.

Nos Alpes-Maritimes, o efeito da tempestade terá sido ainda mais grave. Éric Ciotti, deputado pelo departamento que confina com parte da Itália e, mais a norte, com a Suíça (Hautes Alpes-Maritimes), adiantou que o custo de reconstrução de equipamentos públicos destruídos pela tempestade rondará 1000 milhões de euros, segundo avaliação das equipas de engenheiros que visitaram a zona.

Declarada situação de catástrofe pelo Governo francês, a federação francesa de seguradoras (FFA) já afirmou que o setor fará tudo para acelerar os procedimentos de indemnização aos sinistrados titulares de apólices de seguro. Em nota divulgada na página eletrónica da federação, Florence Lustman, presidente da FFA, recorda que “todos os contratos de seguro de bens (multirrisco habitação, multirrisco empresas, …) comportam obrigatoriamente a garantia de catástrofes naturais”, e precisa ainda que “o estado de catástrofe natural foi decretado por despacho ministerial”, lê-se na nota publicada na página eletrónica da federação.

Uma semana antes, outras regiões de França foram também varridas pelo mau tempo, igualmente causador de danos materiais. No seguimento destes eventos extremos, o Presidente Emmanuel Macron agendou para esta semana uma visita à região dos alpes marítimos.

Citado no site L’Argus de L’Assurance, Jean-Vincent Raymondis, diretor-adjunto da Saretec, afirma que o aparecimento de eventos como estes questiona a gestão de riscos e a sua previsibilidade, sendo necessário adaptar as ferramentas de previsão meteorológica. “Mais do que a recorrência dos fenómenos climáticos, o que vai mudando é a intensidade, localização e a sua natureza”, afirmou Raymondis.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tempestade Alex provoca mil milhões de prejuízo em França

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião