Angolana ENSA obtém 9,1 milhões de euros de lucros até junho

  • ECO Seguros
  • 8 Outubro 2020

O desempenho da seguradora angolana reflete resultados da implementação do Plano Estratégico 2020-2022, enquanto avança o processo de privatização da companhia.

A ENSA – Seguros de Angola (ENSA) regressou aos lucros com um resultado líquido de 1,68 mil milhões de kwanzas (AOA) no semestre encerrado a 30 de junho, um aumento de 150% com o lucro a equivaler a 9,1 milhões de euros ao câmbio corrente. O resultado reflete 33% de crescimento no volume de prémios, para AOA 53 mil milhões (ou cerca de 287,3 milhões de euros), “apesar de menos apólices novas, fruto da crise económica provocada pela pandemia”, explica a seguradora de capitais públicos que integra a lista de ativos incluídos num programa de privatizações em curso.

Citado em comunicado, Carlos Duarte, presidente do conselho de administração da ENSA, salienta: “Os bons resultados do primeiro semestre de 2020 são já o reflexo do Plano Estratégico 2020-2022 e das suas medidas de saneamento financeiro. No segundo semestre manteremos como objetivo a melhoria destes resultados, uma maior capacitação dos nossos colaboradores e a preparação da ENSA para uma privatização bem-sucedida. Os impactos transversais da pandemia são enormes, mas cremos estar no bom caminho para reforçar a solidez e sustentabilidade da ENSA com uma equipa extremamente motivada e focada nas melhores soluções para o cliente”.

A ENSA mantém-se com posição destacada, liderando o mercado angolano com uma quota de 35%, “sendo os seguros de saúde, acidentes de trabalho e automóvel aqueles que mais peso têm na carteira” e que lhe conferem liderança de mercado.

A taxa de sinistralidade recuou, de 44% em 2019 para 33% em 2020, registando-se ligeiro aumento de 1% dos custos com sinistros, “explicado essencialmente pelo impacto da inflação”. Os custos técnicos aumentaram 20% no semestre devido ao reforço das provisões e à abordagem mais conservadora da ENSA em relação às suas responsabilidades.

Os custos operacionais aumentaram 19% “por influência da reestruturação em curso, prevendo-se ainda assim que em 2020 fiquem abaixo do ano anterior“.

O rácio de cobertura das provisões técnicas “situa-se nos 130%, fruto de um esforço para acautelar imparidades e provisões em antecipação dos efeitos do saneamento financeiro em execução do referido Plano Estratégico”, complementa a fonte.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Angolana ENSA obtém 9,1 milhões de euros de lucros até junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião